Há muita influência de hip hop no Linkin Park. Como isso aconteceu?

Mike Shinoda: O Linkin Park nasceu em Los Angeles e por causa disso sempre esteve sob influência direta desse tipo de música. Foi uma conseqüência natural. Não fazemos só hip hop e rock, há influência de várias tendências musicais. No Meteora houve uma série de experimentações que comprovam a existência de tais tendências influenciando o trabalho da banda.

Mike Shinoda, você tem em mente trabalhar exclusivamente com hip hop no futuro, já que em Reanimation houve a participação de vários artistas desse estilo?

Mike Shinoda: Vamos ver o que acontece. Eu vim do hip hop. Está no meu sangue. Vou deixar acontecer, não há nada planejado.

Joe Hahn:Mike tem um projeto solo, mas ele não quer contar para ninguém (risos)

Vocês poderiam comentar as próximas eleições nos EUA, que estão dividindo o país?

Chester Bennington: O Linkin Park não é uma banda que trata de política, nós preferimos compor música sobre sentimentos.

Mike Shinoda: Por ser uma banda acompanhada por muitos jovens, não julgamos correto dizer o que eles devem fazer, tampouco em que candidato votar. Nós esperamos que eles estejam preparados para tomar suas próprias decisões.

Há alguns anos vocês ganharam o prêmio de melhor banda aqui no Brasil e vários outros prêmios em todo o mundo, como vocês lidam com premiações e qual a importância delas para vocês?

Mike Shinoda: Nós acabamos de voltar do VMA´s (Video Music Awards) e ganhamos o prêmio da audiência da MTV (Viewer´s Choice), que é um grande prêmio. Sempre que estamos numa situação dessas nós nunca esperamos ganhar nada, só entramos e esperamos ver o que vai acontecer.

Chester Bennington: No caso do Viewer´s Choice, os vencedores são escolhidos pelos fãs, então significa muito para nós. Receber um prêmio da Billboard é diferente de receber um prêmio dos fãs.

Qual foi o clipe mais trabalhoso para ser realizado?

Joe Hahn: Acredito que tenha sido "Breaking the Habit", que é todo desenhado a mão, com 24 quadros por segundo, totalizando três minutos de animação. Demorou seis meses para ficar pronto. Então, faça as contas...

Mike Shinoda: Por outro lado, para a banda foi o mais fácil, já que nosso trabalho durou apenas meio dia. Quem penou de verdade foram os diretores do clipe, Kazuto Nagazawa [ilustrador e diretor de animação, que tem em seu currículo Animatrix e Kill Bill 1] e Joe Hahn.

Vocês têm o plano de criar um selo? Têm liberdade de criação dentro da sua gravadora?

Mike Shinoda: Sim. Quando começamos a gravar, havia muita interferência de gente dizendo o que devíamos fazer. Hoje já é diferente. Eles confiam no que fazemos. Entretanto, sabemos de várias bandas talentosas e com ótimas idéias que não são aceitas pelas gravadoras, que não entendem sua arte e não acreditam no projeto.

Quando nos sentamos pela primeira vez com a gravadora, tinha uns 40 executivos ao nosso redor e nós chegamos dizendo ¿é assim que queremos o plano de marketing, é dessa maneira que vamos tratar os fãs, nós somos assim e esse é o nosso trabalho¿. Eles falaram ¿vocês são malucos¿, mas no final gostaram da nossa postura de ter coragem de impor o que queríamos.

Claro que viram que estávamos crus, mas conseguiram captar a essência das nossas idéias e trabalhar em cima disso.

Gostaria de saber se vocês gravam o que gostam de ouvir, ou se gravam apenas o que os fãs querem ouvir.

Chester Bennington: Nós fazemos músicas primeiramente para nós mesmos, mas sempre temos em mente se os fãs vão gostar ou não. E descobrimos que se a música agrada a todos da banda, ela tem maiores chances de agradar aos demais.

Qual a razão do sucesso da banda?

Chester Bennington: Não escrevemos porcarias... (risos)

Mike Shinoda: O que nos torna especiais é que somos muitos diferentes uns dos outros, temos personalidades totalmente diversas e todos ouvimos coisas bastante diferentes. Cada um traz essa experiência para a banda e a combinação desses elementos nos torna únicos.

Chester Bennington: Na realidade, nós não sabemos exatamente qual o segredo do nosso sucesso.

Joe Hahn: É por minha causa (risos)

Como vocês lidam com as críticas?

Chester Bennington: Fazer críticas é o trabalho dos críticos, mas sabemos que alguns deles sequer ouvem nosso trabalho e já dizem que a banda é ruim. Nós nos importamos com os fãs e não com os críticos.

Os fãs do Linkin Park gostam de gritar. Chester Bennington, afinal, isso tem uma ação terapêutica ou não?

Chester Bennington: Para mim, música funciona melhor do que terapia. A gente passa por coisas boas e ruins na vida e a minha maneira de expressar isso é cantando e uma das melhores formas de colocar isso pra fora é gritando. Todas as pessoas deveriam fazer isso algumas vezes por dia. Não por raiva, mas por diversão.

O que vocês aprendem com as diversas culturas que têm contato quando estão em turnê?

Chester Bennington: Viajando pelo mundo, eu vi que não importa onde você está, as pessoas são emocionalmente bastante parecidas. Mesmo que sejam de culturas completamente diferentes.

Mike Shinoda: Muitas delas não falam inglês, mas chegam a chorar porque sabem do que a música está falando, existe uma conexão entre as pessoas, principalmente emocional, independente de seus estilos de vida. No fundo são as mesmas pessoas, com as mesmas aspirações. Elas só querem ouvir boa música e ser felizes.

Vocês sabiam que havia tantos fãs do Linkin Park no Brasil?

Chester Bennington: Sempre que visitamos um lugar novo é uma grande surpresa ver a quantidade de pessoas que vão nos assistir e que são nossos fãs. Vindo aqui pela primeira vez, acredito que iremos tocar para 40 ou 50 mil pessoas e acho isso inacreditável, pois seria o maior público para o qual tocamos em toda a turnê.

Vocês conhecem artistas brasileiros? O que acham da banda que vai tocar com vocês, o Charlie Brown Jr?

Joe Hahn: Eu adoro o Charlie Brown! (risos , começam a cantarolar a música do desenho do Snoopy)

Chester Bennington: É estranho. Nos EUA, por alguma razão que eu desconheço, as pessoas entram livremente, mas a música não. Os americanos precisam abrir seus horizontes, eles não têm muito interesse pela música de outros países, limitam-se a músicas e bandas americanas e ao que toca no rádio.

O que vocês acham de parte da renda ser revertida para o programa Fome Zero?

Chester Bennington: É maravilhoso. Tornou-se duplamente animador saber que tocaríamos por uma causa nobre como essa.

Esse é o último show da turnê mundial. Vocês não estão cansados?

Mike Shinoda:Nós jamais subiríamos a um palco sem dar 100% da nossa energia para o público.

O que vocês acham de finalizar a turnê em pleno 11 de setembro?

Chester Bennington: A data é uma coincidência. O dia 11 de setembro é o décimo primeiro dia de setembro, acontece uma vez por ano. O que faz dele especial dessa vez é que iremos tocar aqui em São Paulo pela primeira vez para milhares de pessoas.

Mike Shinoda: É claro que esse é um dia especial nos EUA, em que as pessoas estão lembrando de seus familiares mortos e que vamos sentir falta de estar lá, mas vale a pena por estarmos tocando aqui pela primeira vez.

Durante a turnê vocês tiveram oportunidade de criar novas músicas para o próximo álbum?

Mike Shinoda: Temos um ônibus de turnê todo preparado, com três estúdios para colocarmos algumas idéias em prática. Mas nada é finalizado ali. Justamente por isso é que temos que voltar para casa.

Chester Bennington: A resposta é não (risos)

Mike Shinoda: Além disso, cada canção é como se fosse um personagem de um livro. Você dá a cara ao personagem e deixa que ele crie vida própria. Dificilmente esse processo pode ser finalizado durante a turnê.

Vocês prepararam algo especial para o show?

Chester Bennington: Nós vamos nos explodir (risos). Brincadeira, nós vamos detonar!

Depois da apresentação, vocês vão tirar alguns dias para conhecer algo no Brasil? Têm curiosidade de conhecer a cultura brasileira?

Mike Shinoda: Nós [o Joe e eu] já estamos aqui há alguns dias...

Chester Bennington: Mike é muito bom em capoeira (risos). Nós adoraríamos conhecer mais coisas, visitar lugares, mas estamos fora de casa há dois anos, então estamos doidos para voltar, ver nossas famílias, dormir em nossas próprias camas... Mas sem dúvida será ótimo term um bom motivo para voltar para o Brasil.
aki estão alguns dados dos integrantes dessa banda ...]
Inicialmente a banda se chamaria LICOLIN PARK pois é o lugar em que se encontravam antes da fama...mas ja existia uma banda com esse nome e então a banda se tornou LINKIN PARK..

• Chester
• Vocal

• Quando criança cantava pela casa
imaginando ser o sexto membro do Depeche
Mode - Diz que a maior influência na sua
carreira é o Stone Temple Pistols - Seu
primeiro instrumento foi um piano -
Chester tem todos os cds da Madonna
existentes no planeta - Ajudou uma
chamada CAPP que ajudam meninos
abusados sexualmente


• Mike
• Vocal, Teclado, Guitarra

• Se formou na faculdade Pasadena
Art College of Design - Ele
tem mestrado em ilustrações,
mas estudou design de gráficos -
Conseguiu um emprego como designer
de gráficos logo que saiu da faculdade
- Desenhou o soldado da capa do "Hybrid Theory"
- Ele e o Brad se conheceram na sétima série
- Teve aulas de piano por 10 anos, aí se
cansou e se virou para o jazz e depois hip hop


• Rob
• Baterista

• Rob é judeu - Já foi garçom
- Começou a tocar bateria na
terceira ou quarta série depois
de ir a um show do Aerosmith
- Quando entrou no colegial,
era ligado em funk - Começou a
tocar em bandas desde os 13 anos
com seus amigos - Seu momento mais
emocionante foi receber as plaquetas
de ouro pelo cd Hybrid Theory


• Brad
• Guitarrista

• Ele e Phoenix foram colegas
de quarto na universidade
- É fã da Britney Spears e os
outros caras da banda ficam meio
embaraçados com isso
- Seu primeiro instrumento foi
um trompete - Seu modelo musical
é o Chester
- Sua maior obsessão é dormir


• Phoenix
• Baixista

• - Tinha uma banda quando estava no
colegial chamada "Tasty Snax"
depois mudaram o nome para 'The Snax"
- Foi sua mãe quem o ensinou a tocar
baixo (ela é sua maior inspiração)
- Ele tambem é responsével por algumas
das letras do cd "Hybrid Theory"
- Sua comida favorita é a mexicana
- Já tocou vários instrumentos,
inclusive violino


• Joe
• Turntable e Samplers

• Joe tem uma personalidade divertida
chamada "Remy" - Joe ou "Remy" é quem faz
os vocais de "Cure For The Inch"
- Joe e Mike se formaram em ilustração.
Ambos estavam interessados em pintar,
Joe ficou na faculdade por um ano e
depois trocou pela faculdade de cinema


Paul Gray (Rip)(luto eternoooo)
Entrevista de Paul Gray na Pickup Magazine 15.01.09


Na última edição da revista Pickup Magazine, Paul Gray cedeu uma entrevista onde falou detalhes sobre como se sente e comentou sobre os últimos anos do Slipknot. A tradução da matéria completa você lê abaixo:

Família de homens, respeito pelo outro, anti-imagem, humildade; O Slipknot nunca te mostrou o que você espera de uma banda sangrenta de heavy metal.
Nós conversamos com o membro fundador Paul Gray.

O último lugar que você espera estar ao conhecer um membro da máquina de ódio chamada Slipknot, é num modesto quarto do hotel Knightsbridge. Quando confrontado por um homem vestindo uma bermuda em pleno inverno e esfregando os olhos depois de uma recente soneca, você começa a imaginar se isso será uma confusão.
Claro que não. Paul Gray é um rapaz tranquilo, oferecendo suco de morango roubado do frigobar do quarto, considerando que estamos tomando uma hora e meia do seu precioso tempo sem sua esposa. A banda está a cinco horas de embarcar para três noites consecutivas de shows lotados no Hammersmith Apollo em Londres, Inglaterra.
O Slipknot inaugurou suas horríveis máscaras ao público geral por volta de 1999 com o lançamento do primeiro álbum. Foram quatro anos, várias mudanças na formação da banda e uma dose generosa de determinação pra chegar onde eles estão agora. A imagem assustadora e as letras brutais garantiam provocar as pessoas, e os fãs acolheram isso, colocando o Slipknot entre um dos principais deuses do metal do novo milênio.


A intensidade do Slipknot continua embrulhando seus estômagos como uma sopa de pimenta mal digerida. Seus fãs leais estão firmes, recebendo a banda de volta após quatro anos - enquanto os integrantes desenvolviam projetos extracurriculares. Mas agora o Slipknot está de volta com um novo álbum, All Hope Is Gone, e Paul Gray, baixista e um dos principais compositores da banda, está muito empolgado com isso tudo.
"Eu me sinto ótimo, cara! O sucesso que estamos tendo têm sido maravilhoso, é delirante. Você sempre tem essas esperanças e sonhos, mas você não coloca isso como objetivo. Nosso objetivo era simplesmente chegar até o próximo show, escrever novas músicas. Fizemos isso aos poucos e a coisa virou uma bola de neve."

Genuíno e aberto, Paul parece simpático, claramente mais vulnerável do que alguém que certa vez escreveu uma música chamada 'People = Shit'. Sua empatia com os fãs é comparada a suas próprias paixões por bandas de metal que ele amou quando mais jovem, afirmando que o New-metal era uma base para os iniciantes serem introduzidos à música pesada. "É uma coisa muito legal, porque os fãs que estiveram conosco desde o começo, e continuam conosco, isso é dedicação. Eu posso dizer que fiz a mesma coisa: Cresci com o Metallica. Parei de acompanhá-los por alguns álbuns também." A controvérsia no Slipknot não foi sempre gerada por pura diversão. Você consegue notar que algumas coisas do passado da banda ainda o afetam profundamente hoje. Questionado sobre se ele está alerta a como ele influenciou uma geração de fãs, ele responde com inesperada sinceridade.

"Eu não quero influenciar ninguém."

"Eu não sei sobre uma geração inteira... pra influenciar alguém... é um assunto estranho. Em vez de dizer influência, eu prefiro dizer que nós inspiramos pessoas a tocar música ou a começar uma banda e a fazer seu próprio som. Assim como qualquer outra banda antes de se tornar grande, nós estávamos fazendo coisas normais como qualquer outra pessoa. Eu trabalhei em obras e fui garçom." ele revela.

"Se nossa música inspira pessoas a levantarem todos os dias e irem fazer seus trabalhos, então isso é muito bom. Influência é uma coisa diferente. Houveram coisas ruins que aconteceram por causa da banda também. Espero que o Slipknot inspire as pessoas, eu não quero influenciar ninguém. Influência é como um culto ou algo assim. Aconteceram algumas coisas realmente terríveis, supostamente em nome da banda, influenciado por letras e tal, e eu gostaria que aquelas coisas jamais tivessem acontecido. Espero que se nós de alguma forma influenciamos, seja de um modo positivo."
No final das contas, os membros do Slipknot são apenas humanos. Para aqueles que continuam nos tablóides da mídia, o Slipknot é apenas composto por nove caras fazendo música que eles gostam de tocar. Só isso. "Estou tão orgulhoso de onde nós estamos, e isso significa muito trabalho e sacrifício também. Eu perdi várias coisas diferentes que aconteceram com minha família e meus amigos, coisas que eu sei que eles se importam. Eu não pude ir a um velório quando estava em Portugal por um dia, me desculpem, eu não pude. Eu queria. O outro lado é que nós estamos muito bem como banda. Se algum de nós precisa de algo desse tipo, nós vamos nos esforçar e deixá-lo ir fazer o que quiser. Acho que foi isso que manteve essa banda por tanto tempo, a longevidade é a compreensão. Nove homens diferentes; é um relacionamento bem complexo, então você tem que conhecer seu limite e ter respeito pelo outro. E ainda saber quando as pessoas precisam de seu espaço ou de seu tempo. Continuamos juntos, então acho que nós descobrimos isso muito bem."

Quanto mais você percebe que o Slipknot são apenas pessoas comuns, mais você se foca no que eles alcançaram, o quanto eles conseguiram e como eles são tão mais elaborados do que as outras bandas de rock. As músicas do Slipknot podem certamente ser um processo que dá às pessoas uma oportunidade de esvair a preocupação e a negatividade, assim como o acúmulo de muita energia física e mental, deixando o resto de suas vidas mais 'normais'. Imagino que você não pode dizer o mesmo do Kings of Leon.
"Minha mente está sempre no Slipknot. Até nos períodos de descanso eu continuo tendo que trabalhar. Tenho que fazer coisas aqui e ali, mas quando eu estou em casa eu consigo me desligar e balancear minha vida. Shawn [Crahan, percussionista] se desliga completamente. Você não pode nem telefonar pro cara! Ele tem quatro filhos, ele é ocupado!"
Se tudo isso parece singelo demais, você quer um pouco mais de atitude que se encaixaria com qualquer banda de rock? Paul se exalta quando a Playmusic Pickup toca no assunto 'compromisso'.


"Escrevemos música pra nós mesmos, e esperamos que os fãs gostem. Se eles não gostarem... que pena!"
"Compromissado a ter algum foco? Não, nós nunca nos comprometemos. As pessoas às vezes falarão 'isso é se vender' ou qualquer coisa, mas nós não escrevemos música para que outras pessoas julguem. Escrevemos pra nós mesmos, e esperamos que os fãs gostem. Se eles não gostarem... que pena! Não nos conformamos com nada. Nós fazemos isso até que esteja certo pra nós."

All Hope Is Gone tem uma das mais pesadas e melódicas músicas deles. 'Snuff' traz guitarras acústicas para uma canção de amor.
"Eu amo o All Hope Is Gone. Musicalmente é o meu álbum favorito dentre os que fizemos. Definitivamente tem uma grande faixa de variação e é tudo Slipknot. Parece que no Iowa, estávamos nos limitando numa categoria de 'é isso que a banda será'. E uma vez que você fez isso, você tenta fazer algo diferente depois e alguém fica nervoso, e se você der ouvidos, você se preocupa. Mas nós não damos ouvidos à isso. Com o Vol.3 nós experimentamos um pouco mais, e foi isso que fizemos dessa vez também. Foi muito legal e nós ainda temos mais dois álbuns de materiais que não foram liberados, e é tudo diferente. Existem músicas que você nunca, nunca, nunca, nunca na sua vida pensaria que é do Slipknot."



"São nove pessoas diferentes e todos nós tempos idéias diferentes e gostos musicais diferentes. Bem interessante e divertido, não é? Esperamos que aquelas músicas saiam, mas algumas delas não são músicas que você pode pular e dançar... e outras são. Criar música não deveria ter nenhuma regra ou limite. Todos na banda sabem teorias sobre música, mas eu joguei essa merda pela janela, porque uma vez que você faz isso, é tipo 'bem, você não pode usar essa nota aí porque você está seguindo este ritmo'. E eu digo, 'Foda-se isso, na boa.'"


"Nós ainda temos mais dois álbuns de materiais que não foram liberados."
Além dos nove membros, outro aspecto marcante do Slipknot é sua imagem. O fato de que milhões de fãs acessaram o site oficial antes do lançamento do All Hope Is Gone apenas pra ver as novas máscaras, mostra o efeito que esse elemento tem nos fãs da banda.


"É tão estranho ter chegado nesse nível. Quando nós começamos isso era uma anti-imagem. Não era sobre o que todos estão vestindo. Alguns dos shows que fizemos antes, fizemos coisas bizarras. Tocamos vestidos tipo camponesas fazendo show. Mick [Thomson, guitarrista], de 2m de altura, usando um chapéu de dona de casa (bonnet), a equipe e uma boneca inflável surrando sua bunda. Agora é definitivamente o tipo de coisa essencial. Todos têm suas idéias e nós tentamos o máximo possível fazer isso parecer uma equipe."

Vocês conhecem a MTV e sabem o que ela faz com a carreira das bandas. Vocês seriam capazes de mudar um vídeo censurado ou fazer algo fora da personalidade de vocês só para estarem na MTV?
Shawn: Nós gravamos o clip de Spit it Out e a MTV (americana) não o aceitou ... então não faremos mais nada para a MTV. Para compensar, colocamos o clip no nosso homevideo e o vendemos por um preço bastante baixo ... é um presente para nossos fãs. Nós não ligamos para o que a MTV pensa.
Joey: Nós reconhecemos que o nosso atual sucesso só aconteceu por causa dos fãs ... e somente por causa deles. Não por causa da MTV ou por causa de revistas pois você nunca nos verá muito em nenhum dos dois. No entanto, estou satisfeito com nosso atual sucesso ... e por causa dele, a MTV possa até vir a se interessar no nosso próximo vídeo.

Eu reparei uma coisa no CD. A abertura de (sic)... me lembra um pouco Marilyn Manson. Qual a opinião de vocês sobre ele?
Joey: Os dois primeiros álbuns são muito bons...

Você gosta das coisas antigas dele?
Joey: Gosto...

O que vocês acham dessa nova imagem que ele está tentando passar?
Shawn: Eu acho que ele está aí para fazer o que ele quer e o Slipknot não tem nada a ver com ele. Nós nunca o conhecemos. Se você é um músico e trabalha duro nisso, com certeza vamos te respeitar.
Joey: Eu só acho que ele está passando dos limites.

O que vocês acham do Korn e do seu sucesso?
Joey: O primeiro álbum foi muito bom, o segundo também tinha muita coisa boa, mas o terceiro ... não gostei muito dele. Quanto ao último, eu ainda não ouvi direito.

Vocês alguma vez já transaram usando suas máscaras?
Joey: (risos) Eu acho que o Shawn já transou mas eu ainda não.

Vocês alguma vez já dormiram com uma garota tão feia que tiveram que colocar a máscara nela?
Joey: Com certeza não.
Shawn: É por isso que existem as luzes.

O som que rola no final do CD é alguma espécie de pornografia?
Shawn: Não podemos dizer.
Joey: Você vai ter que guardar segredo.

Para mim parece uma espécie de pornografia sórdida...
Shawn: Éramos contra a idéia da música escondida. Muitas bandas que estavam se dando bem fizeram isso no começo. Então resolvemos colocar algo bastante particular para ser a música escondida .. é algo real e nojento.
Joey: É uma daquelas coisas para se lembrar até com 80 anos...

Se você fosse um taxista na cidade de Nova Iorque, você pegaria um cara negro?
Joey: Sim, com certeza. Por que não?

O que vocês acham das MP3s?
Shawn: Eu vou ser honesto com você cara ... eu acho a Internet a maior invenção que o homem já viu. Se um fã não pode ir ao show do Slipknot, o show pode ir até ele, não importando o lugar do mundo que ele viva. A MP3 é legal, mas pode ser muito perigosa quando alguém consegue um álbum antes que ele seja lançado. As pessoas copiam e distribuem esse álbum antes que ele possa estar nas lojas. O que é preciso entender, e se você é um músico você me entenderá, é que "você aprende a passar fome sendo criativo". A MP3 pode ser muito perigosa para as bandas. Eu sou um grande partidário da Internet. Nosso site slipknot1 bateu os 230.000 visitantes mês passado. É uma boa maneira de alcançar nossos fãs por aí a fora.
Joey: Eu acho bem mais divertido sair e comprar um CD numa loja do que puxar ele pela Internet.

Qual é o CD mais novo que está rolando no som de vocês?
Joey: O novo do "Amen" é muito bom e o novo do "Accused".
Shawn: Para mim é o novo do "Nine Inch Nails"... quer você goste ou não, é um álbum maravilhoso!

E sobre o Limp Bizkit? O que rola entre vocês?
Shawn: Vamos ao que interessa agora. Uma das coisas mais importantes na vida é o respeito. Eu não falo merda de ninguém, a não ser que eu tenha motivo para falar. Alguns caras dessa banda, falaram que não chegaríamos a lugar nenhum pois estamos com a RoadRunner. E também disseram que nossos fãs são uma bando de gordos e feios. Quando encontrarmos o Limp Bizkit, nós vamos mostrar o que eles merecem. Vamos partir pra porrada.
Joey: Porradas na cara!
Shawn: Nós vamos mostrar o que eles merecem. Qualquer hora eu saio na porrada com esses babacas. Se eles não tivessem falado nada, estaria tudo bem.
Joey: Tenho que esclarecer uma coisa... Wes, o guitarrista, é demais! Wes é o cara!
Shawn: Poucas pessoas tem o dom, Wes é um deles!
Joey: Ele pode fazer uma Jam com a gente qualquer hora.
Shawn: O resto da banda pouco importa, mas Wes é o cara!

O que influenciou vocês no passado?
Joey: Falando de música, crescemos ouvindo "Black Sabbath", então começamos a ouvir "Venon" e "Slayer". Depois passamos a ouvir bandas estilo "Jane´s Addiction". Sempre ouvimos muita coisa. Atualmente, estamos tão envolvidos com o Slipknot que não temos muito tempo para escutar coisas novas, com exceção das bandas que citamos a pouco. Falando de atitude, sempre estivemos de bem conosco, mas vivíamos em um ambiente onde foi preciso desenvolver a nossa própria individualidade.
Shawn: Isso é maravilhoso pois sabemos onde queremos chegar, e é fácil conseguir o que queremos pois somos todos amigos. Começamos a pouco tempo, e o jeito é deixar rolar.

1) Quem são seu super-herói e super vilão favoritos?
Corey Taylor: Todos sabem que o Homem Aranha é meu super-herói favorito. Meu super-vilão favorito? George W. Bush.

2) Qual é seu lanche noturno favorito?
Corey Taylor: Nada fácil. Tarde da noite ninguém quer preparar nada para comer. Eu acho que frango frito.

3) Quem são suas influências não musicais?
Corey Taylor: Bruce Lee, Darth Vader, Snake Plissken, Jesse Custer (the Preacher), bowling, Jack Daniels, William Wallace, James Bond, Jack Kerouac, Raoul Duke, Bungee jumping, Bill Hicks, Lenny Bruce, Marlboros, Conan o Bárbaro e O bebê de Lindberg .

4) Qual você prefere: criar no estúdio ou tocar ao vivo?
Corey Taylor: Ambos têm seus méritos. No estúdio você tem mais liberdade para fazer qualquer coisa que quiser. Ao vivo, você prova quem você é.

5) Qual é seu filme favorito?
Corey Taylor: De longe é o "From Dusk Til Dawn" do Tarantino e Rodriguez, mas tem muitos filmes.

6) Qual é seu livro favorito?
Corey Taylor: Eu tenho alguns. "Please Kill Me" (história do movimento punk), "Tubarão" (o romance, não o filme), "If Chins Could Kill: A história de Bruce Campbell", "Steal This Book", etc.

7) Nome do músico que você gostaria de trabalhar mais ainda não trabalhou?
Corey Taylor: Boa pergunta - Eu não tenho menor idéia, mas é uma boa pergunta...

8) Se você pudesse mudar alguma coisa na industria da música, qual seria?
Corey Taylor: Eu fiz um pedido, veja minha conversa três vezes... e venda sua alma.

9) Qual tem sido sua maior realização profissional?
Corey Taylor: Estar vivo ao longo do tempo.

10) O que tem sido memorável para você?
Corey Taylor: Qualquer momento quando as pessoas estão assistindo minhas performances idiotas.

11) Qual é seu espírito animal?
Corey Taylor: Não faço menor idéia.

Vocês têm um aspecto visual forte no Slipknot? Vocês diriam que o que há
de melhor no Slipknot são os shows?

Shawn: Os shows são O motivo pelo qual fazemos tudo. Temos a necessidade de
tocar com as pessoas que dividem o mesmo estado mental, e que precisam de
música para viver nesse mundo de hoje com todas as pressões? Então eu diria,
sim, tocar ao vivo é a coisa mais importante para nós.

Existem bandas bem pequenas, só com dois integrantes. E vocês têm nove
pessoas na banda! Como é a vida na estrada com tantas pessoas?

Chris: Absolutamente louca. Mas no fim do dia é a melhor coisa que existe!
Nós temos um objetivo comum: manter esssa banda viva, porque isso nos mantém
vivos.

Qual o PIOR rótulo que já foi colocado no som, que vocês leram e
pensaram, "nossa esse cara não entendeu nada"!

Shawn: Eu nem gosto de dizer quais são os rótulos porque essa é só uma
maneira de ser embalado? A única forma de descrever a gente é como Slipknot.
Se nós precisarmos ser categorizados como um novo gênero é Slipknot. Pense
em todas as bandas que têm 4 pessoas e eles brigam como umas menininhas e
não conseguem se manter juntos. Nós somos 9 caras e estamos continuando!

E trabalhar com Rick Rubin, o lendário produtor?

Shawn: Rick Rubin, em primeiro lugar, é um amigo nosso. É ótimo trabalhar
com pessoas que podem facilitar as coisas pra você. A maior frustração em
uma gravação é não conseguir as coisas que você precisa ter para expressar
sua arte. Nós trabalhávamos discos de uma maneira industrial, em "três meses
e meio e caia fora". Nesse último disco demoramos seis meses e meio, e
coisas estranhas começaram a acontecer! Tudo porquê ele nos permitiu ir com
muita calma. O disco fala por si. Nós o amamos.

Já foi dito que esse disco não é tão pesado quanto os outros. Como vocês
reagem à isso?

Chris: Ele é!

Shawn: Você sabe que o disco é pesado, é mais pesado do que todas as bandas
da moda, que tentam ser pesadas. E, no final das contas nós estamos mais
experientes e queremos nos empurrar para outra fase em que nunca estivemos.
Se a gente fizesse só músicas rápidas ainda haveria alguém pra dizer "não é
pesado o suficiente"? A gente tem que se concentrar na idéia e nos
expressarmos em áreas que você nunca imaginou antes de sairmos dessa
realidade.

E o clipe de Before I Forget. Vocês tiram as máscaras! Isso seria um
sinal que vocês talvez estejam?

Chris: Não!

Então é só pra dar um susto nos fãs? Tipo "cara, eles vão tirar as
máscaras"!?

Shawn: Então funcionou! Estou cansado de pessoas imaginando "vocês vão tirar
as máscaras", e comparando a gente ao Kiss, ou à outra banda. Essa banda é o
Slipknot. Esse clipe é uma maneria de dizer "dane-se! Vou provocá-lo por
três minutos e meio e você nunca vai ver meu rosto." Mas na verdade foi um
exercício, chegar na gravação de um clipe e não precisar colocar toda essa
porcaria. E representar nosso ensaio. Porque quando ensaiamos não usamos
essa porcaria, e rola muita paixão. Se você ver o clipe, ali tem muita
paixão, a gente arrebenta nos ensaios.

E é um ótimo clipe!

Chris: Sabe o que pensei agora? Algum dia você ainda vai perguntar para uma
banda: "vocês vão manter a verdade, como o Slipknot fez, ou vocês vão se
acovardar e tirar tudo?"

E o seu selo, Maggot Recordings? Como está indo?

Shawn: Ele já faliu e? (risos) Não, nós fizemos um pouco disso, mas somos
melhores quando nos concentramos nos nove. E iso se chama Slipknot. É a
melhor forma.

Mas e se vocês estão em algum lugar e vêem alguma banda que gostam,
talvez vocês possam assinar no selo?

Shawn: Sim, se for algo real. A oportunidade aparece se for de verdade. Mas
a maioria das vezes a coisa não é de verdade. Nós nos preocupamos com o que
é real, e com nosso relacionamento com nossa arte. E na real é só o que
temos tempo para fazer nas 24 horas do dia, nos concetrar nisso: é uma
responsabilidade pesada, sabe?

Eu imagino. E estar no Brasil? Vocês vão tocar com o Sepultura. Eles
foram uma grande influência para a banda? Vocês ouvem?

Chirs: Para mim isso é alucinante! Eu sigo o Sepultura desde o comecinho,
tenho até a carteirinha do Sepultura,tenho tudo! Sempre assistia os vídeos
do Sepultura e via este lugar, e é bem estranho que nesse momento eu esteja
aqui tocando com o Sepultura. Isso meio que fecha um ciclo na minha vida. E
musicalmente tenho muito respeito pelos caras naquela banda, e pelo que
escreveram e fizeram, então vai ser um show foda, foda!

No Brasil temos uma tradição em percussão, especialmente no nordeste.
Vocês tão ligados nisso, na percussão brasiileira?

Shawn: Claro que já ouvimos falar. Não fingimos que temos a técnica dos
precussionistas sul-americanos, que é muito, muito, muito séria e muito,
muito, muito boa. Nós amamos e gostamos de aprender e assistir, mas o
Slipknot tem uma pegada mais tribal e pagã, mais voltada para a guitarra.
Mas amo a percussão brasileira, me arrepio.

Uma última pergunta que TENHO que fazer. Como podemos ter CERTEZA que
são vocês agora aí atrás das mascaras?

Shawn: Não podem. Honestamente gostaria de ver alguém tentando ser eu. Só
por um minuto. Acabamos de comemorar nosso décimo aniversário, e a cada dia
estamos melhores: Você só tem que confiar, ou então, não, você não entende.

Chris: Se descobríssemos que alguém está usando nosso equipamento e figindo
ser a gente? mal, mal mal! Nós trampamos tanto por tanto tempo pra chegar
onde chegamos que ninguém vai simplesmente aparecer e avacalhar assim!

Shawn: Você nunca vai imaginar o que já passamos para manter esse sonho
vivo. E não é um sonho do qual vamos acordar logo, é algo que intoxicou
nossas vidas. Sacrificamos muitas coisas, muitos amores, muitos
aniversários, muitas coisas por isso, e é tudo pelo amor à musica que nós
precisamos.

Legal! Valeu mesmo, Slipknot! E esperamos que vocês venham mais ao
Brasil, com mais datas.

Shawn: Esses foram alguns dos shows mais memoráveis que já fizemos nesses 10
anos. Queríamos ter vindo antes, mas infelizmente você sabe como é caro.
Temos um show grande, e por isso amanhã nosso show vai ser uma versão mais
simples, um show como nos antigas. Mas agora que já sabemos o caminho essa
deverá ser uma parada de sempre. Poderemos até começar a turnê mundial do
próximo disco na América do Sul e vocês poderiam ver o show antes do resto
do mundo.

» Como os integrantes da banda se conheceram?
Nós todos tocávamos em várias outras bandas antes do SlipKnoT, e todos nós nos encontrávamos em um clube local chamado "The Runway". Depois de várias tentativas decidimos formar juntos uma banda que suprisse as antigas e reunisse o que nós gostaríamos de ver se fossemos fãs.

» Cite os 3 álbuns que você mais ouviu nos últimos anos?
Joey:Mr. Bungle - "California", Fleetwood Mac - "Greatest Hits" e Slayer - "Reign and Blood".

» Qual figura do rock'n'roll (viva ou morta) com a qual você mais gostaria de estar em turnê e por quê?
Joey:KISS, com a formação original. O álbum "Kiss Alive" foi o primeiro que comprei. Eles foram o início de tudo para mim. Eles formaram minha visão de música e Peter Criss se tornou meu grande símbolo.

» Qual é seu ritual de manhãs de domingo favorito?
Joey:Inventar algumas desgraças para aumentar meu principal propósito...

» Qual seria a primeira pessoa que você telefonaria se seu álbum conseguisse disco de ouro?
Joey:Eu telefonaria primeiro para minha mãe.

» Qual é o melhor lugar para se passar as férias?
Joey:Em um quarto entre as pernas de uma garota.

» Qual a sua melhor experiência em shows?
Joey:Uma experiência interessante pra mim em um show, foi quando dei um mosh no público em Edmonton (Canadá) e os caras rasgaram meu macacão em pedaços, mas eles não pegaram minha máscara.

» O que mais te irrita em um animal de estimação?
Joey:O mau-hálito.

No início farei a breve descrição sobre a Area 51, em seguida uma lista de incidentes e corpos
. capturados.

. Fotos por cortesia de Heidi, uma americana com quem troquei correspondência, que mora perto de
. Nevada.
. Siga as paginas e encontrará mais paginas de artigos , David Adair e a aventura dentro da Area51,
. Bob lazar entre mais.
Nos EUA existem 50 estados, esta área seria como um 51º estado.
Também conhecida por "Dreamland" (terra dos sonhos), no Deserto de Nevada e à margem de um lago seco :
o Groom Lake, trata-se do Polígono de Tiro e de Testes nucleares da base de Nellis, é uma instalação militar secreta (não existe sequer nos mapas, o Pentágono nega a sua existência,nem existe nos mapas, porém os avisos de proibição encontramm-se lá), rodeada por campos de minas e vários sinais de aviso. Existem muitas outras bases secretas.
O nome "AREA 51 "foi utilizado na década de 60 até à década de 80, porém agora o nome oficial é outro:
Air Force Flight Test Center, Detachment 3,( AFFTC Det.3) Centro de testes de voo da força aérea.
E saiba que existe ainda uma AREA 52, mais conhecida por TTR (Tonopah Test Range), fica a 65 milhas a noroeste da area51.. Veja aqui uma imagem da TTR base.
. Um dos muitos sinais proibindo a aproximação,
. proibindo fotos do local, sob pena de prisão ou de
. ser abatido.
A base foi descoberta por um piloto de testes de avião U-2, Tony Levier.
Está situada no deserto de Nevada a 100 Km de Las Vegas.
Tem uma pista de 9,5 Km, é uma base com uma área equivalente à Suiça. Supostamente estão lá guardados destroços de naves e cadáveres, como também destroços do ovni que se despenhou em Roswell (Novo México) a 4 Julho de 1947...
Tudo guardado no Hangar-18.
O Governo nega, mas a Área está fortemente protegida e proíbida de ser sobrevoada...
Nenhuma aeronave tem permissão
para sobrevoá-la, nem mesmo companhias aéreas regulares que atendem
ao sul do Nevada e da Califórnia.
Satélites Russos captaram várias imagens dessa Base:
na época disponibilizadas no site Terraserver.com , que trabalha com a
Agência Espacial Russa (SOVINFORM SPUTNIK ) ---->
A Base foi fundada em 1954, com a supervisão da Cia ( como não podia deixar de ser ) com o intuito de produzir aviões de espionagem para a CIA . Pela Lockheed Aircraft Corp.
Foi nesta área que o bombardeiro "stealth" Northrop B-2 foi testado,vêm sendo desenvolvidos projetos ultra-secretos, inclusive aviões de espionagem como o U-2 e o SR-71,também o projecto «Aurora». Lá encontra-se a maior frota de ovnis capturados ,
são ao todo, mais de 30.
Muitas testemunhas afirmam observar luzes estranhas de noite, e naves estranhas de dia descrevendo incríveis manobras. Alguns foram filmados.
São também visíeis e bem conhecidos os "Black triangles". O físico Robert Bob Lazar afirmou posteriormente que o Governo dos EUA estava estudando cerca de nove discos voadores e tentando adaptar a sua tecnologia através de engenharia reversa num local secreto subterrâneo denominado por S-4 (próximo do lago Papoose, ocupando toda uma àrea montanhosa). Ele fez parte da equipe de 22 engenheiros contratados em 1988 para estudarem o
sistema de propulsão das naves, gerando a antigravidade. Ele trabalhou particularmente num "sport model". Mais tarde ocorreram atentados contra a sua vida, não se sabe se está vivo, mas todos os seus dados foram apagados incluindo o registo de nascimento.
Um ex-agente dessa Àrea militar vendeu material (video) a uma companhia de produções de video na Califórnia, e no dia 14 de Abril de 1997,a Emissora de tv "Fox Paramount" divulgou um video em directo com uma entrevista a um alienígena.
. E voce pode ver o filme clicando na imagem á esquerda, será necessário o Real player.
. http://www.real.com/freeplayer/?rppr=rnwk
O Governo Americano tem nessa Área, cadáveres de aliens, capturados na queda de naves, a lista é extensa, mas vou divulgar apenas alguns nomes:
22 Julho 1947 - ovni despenhado em Roswell New México = 4 cadáveres
13 Fevereiro 1948, Aztec New México = 12 cadáveres
7 Julho 1948 - México S. Of Laredo Texas = 1 cadáver
1952 , Spitzbergen Norway = 2 cadáveres
14 Agosto 1952 , Ely, Nevada = 16 cadáveres
20 Setembro 1950 , Albuquerque, New México = 3 cadáveres
19 Junho 1953 - Laredo Texas = 4 cadáveres
10 Julho 1953 - Jahofnisburgo, South Africa = 5 cadáveres
5 Maio 1955 - Brighton Montana = 4 cadáveres
10 Novembro 1964, FT Riley Kansas = 9 cadáveres
5 Abril 1977 - SW Ohio = 11 cadáveres
1988 Novembro, Afeganistão = 7 cadáveres
Julho 1989, Siberia = 9 alienígenas vivos!

Algumas datas importantes sobre a AREA 51:
Abril de 1955: Groom Lake é escolhida para area de testes do avião U-2.
Julho de 1955: A Area 51 é concluída.
Janeiro de 1962: É alargado o espaço aèreo inviolável já existente.
1965: Aumenta o número de habitantes e trabahadores na base, ao todo umas 1800 pessoas.
Novembro de 1977: O protótipo do f-117 é enviado para a Area51.
17 de Julho de 1988: Um satélite espião russo tira uma foto da Area51 que vem a ser divulgada no "Popular science" e outras
publicações.
10 de Abril de 1995: É retirado o acesso de civis ás areas de Freedom Ridge e White sides.
Ao que parece a Área 51 estaria sendo transferida para Maine, a nova sede ficaria em Worumbo Mill, Libson Falls: Maine. vários militares foram transferidos,e a correspondência também...
Existem bases secretas em vários países , (em ordem decrescente por número de bases):
Estados Unidos, Brasil, Argentina, Ilhas Aleutian, Rússia, China, Antártida, Nova Zelândia, Austrália, Canadá e em vários oceanos. As bases nos EUA estão sempre ligadas à bases militares e protegidas pelo grupo DELTA.
Agradeço à senhora Heidi Reed, de Nevada, pela troca de emails e envio de informações.
Heidi Reed , mora em Nevada, mais precisamente Boulder City (cidade de Boulder) , fica a meio de Las Vegas e Hoover Dam.
Ficam a cerca de 2 horas de caminho da Area 51.
Inclusivé têm acesso a material (papeis, cartões, mapas, fotos) de pessoal que trabalhou na Area 51.
As fotos e mapas, São de Larry Hunt, amigo de Heidi, (quem me enviou as fotos). Larry também vive em Boulder City , Nevada.
Trocamos emails, em Inglês, e eu perguntei como Larry consegui fotografar os portões da Area51 se essa zona é restrita?Ela falou que : Algumas zonas circundantes são restritas, onde há sinais etc, Surgem carrinhas prontas a disparar, surgem helicopteros caso apareça algum intruso, há detectores.
Mas a Area de entrada não é restrita, as pessoas podem andar lá perto dessa zona, até porque a alguns km há civilização. O portão fica perto da estrada, algumas pessoas passam de carro e tiram umas fotos e seguem caminho. Eu disse: Mas o governo nega a existencia dessa base.Ela fala que:
Não é bem negar, o Governo diz que a base não serve para actividade extraterrestre nem guardam ovnis lá, dizem que é somente uma base militar de desenvolvimento de novos aviões, e que não é permitido o acesso a pessoal não autorizado.
Quando alguem se aproxima
demais, surgem jipes cherokee como esse, ou carrinhas pickup Chevy 2500
,com seguranças, mais conhecidos por "cammo", são seguranças privados da "EG&G Technical Services, Inc".
Eles têm permissão para alvejar os intrusos, ou chamar o sherife para prender
quem se aproxime demais, a multa poderá passar dos 6000 dolares.
Em todos os caminhos são presentes as câmeras de vigilância e sensores .

illuminati

2 de set de 2010

Antes de tudo eu kero dizer q não fui eu que escrevi isso
Só postei por q estou pesquisando sobre eles


coisas terríveis sobre os Illuminati – parte 1


um artigo sobre o RPG GURPS Illuminati e o card game Illuminati: New World Order e como seu produtor, Steve Jackson, sabia de muitas coisas que ainda estavam por vir.

Pois bem, eis outro material do livro Illuminati – As 50 coisas terríveis sobre os Illuminati.
Qualquer semelhança com estratégias usadas hoje em dia não é mera coincidência:

1. Existem muitos grupos Illuminati com diferentes tipos de conhecimento secreto. Qualquer coisa que puder dizer com relação a eles (incluindo isto) é falso para alguns dos Illuminati, mas verdadeiros para outros, o que serve apenas para aumentar a confusão e o mistério.
symbols 150x150 50 coisas terríveis sobre os Illuminati parte 1

Símbolos e sociedades secretas

2. Os Illuminati se infiltram e assumem o controle de organizações de todos os tipos, de igrejas a agências de correio e mercearias, e as utilizam para seus próprios fins.
illuminatisymbolsonnickelodeon 50 coisas terríveis sobre os Illuminati parte 1

Illuminati influenciando diretamente as crianças

3. E, numa espécie de humor negro, algumas organizações que eles controlam promovem a si mesmas como Sociedades Secretas.

4. Eles têm agentes e espiões plantados por toda parte. Muitas dessas pessoas não têm idéia de para quem elas estão realmente se reportando. Outros são membros ativos da conspiração, abrindo caminho cada vez mais profundamente na estrutura da sociedade.
artistas illuminati 50 coisas terríveis sobre os Illuminati parte 1

Artistas Illuminati

5. Eles controlam as escolas para ter certeza de que os jovens aprendam a gostar de música estranha e desafinada, de alguns jogos bizarros e estranhos, e que vistam-se de maneira esquisita.

6. Eles tentam também recrutar os melhores e mais brilhantes jovens como agentes para garantir a próxima geração da Conspiração.

7. Eles constantemente lutam entre si e guerreiam contra os outros grupos e organizações. Cada grupo Illuminati está sempre se empenhando em aumentar sua base de poder e minar os competidores.

8. O primeiro método para lidar com a oposição é o suborno. Para qualquer grupo tão rico como os Illuminati, alguns milhões de dólares não são nada.

9. Em seguida eles tentam as ameaças. O risco de perder os bens, o status ou os entes queridos tem dissuadido muitos propensos inimigos das tramas Illuminati.

10. E é claro, o assassinato é uma antiga arma política. Os Illuminati foram os responsáveis por alguns dos assassinatos mais chocantes dos tempos modernos.

11. Eles também substituem pessoas por sósias. Por muitos anos eles recrutaram gente parecida com pessoas importantes para servir a seus próprios interesses. Agora eles estão aperfeiçoando a tecnologia de clonagem que lhes permitirá substituir qualquer pessoa.
clones 300x237 50 coisas terríveis sobre os Illuminati parte 1

Clonando quem eles queiram

12. Aqueles com os quais eles não conseguem lidar de nenhum outro modo são desacreditadas ou enlouquecidos.

13. A conspiração Illuminati tem centenas, se não milhares de anos de idade. Muitos dos nomes mais famosos da história foram Illuminati, ou agentes dos Illuminati. De fato, toda a história é nada mais do que uma perspectiva externa das esquemas e disputas dos Illuminati.

14. E é claro, os Illuminati estão constantemente reescrevendo a história para que ela sirva a seus propósitos. Por exemplo: as crianças são ensinadas na escola hoje em dia que não existe nenhuma evidencia histórica da existência de Jesus, e nada não aprendem sobre a guerra Russo-Germânica ou sobre a Arcádia.

rewriting history 201x300 50 coisas terríveis sobre os Illuminati parte 1

Reescrevendo a história

15. Eles controlam os meios de comunicação, de modo que você ouça o que eles querem que você saiba através das notícias do dia. Qualquer evento que não se encaixe em seus programas será rapidamente silenciado.

16. Em particular, eles controlam a televisão. Eles não permitem que programas inteligentes sobrevivam. Eles encorajam programas que impeçam as pessoas de raciocinar. A única razão pela qual eles permitem que bons programas surjam é para convencer as pessoas inteligentes de que ninguém gosta deste tipo de material e que deve haver algo errado com elas.

17. Os Illuminati manipulam a bolsa de valores e controlam as moedas em escala internacional. Seu salário vale aquilo que os Illuminati desejam que ele valha.

18. De forma semelhante, toda a “crise energética” foi uma invenção dos Illuminati. Não há falta de energia de tipo algum, há mais de uma dúzia de tipos diferentes, mas energia livre em abundância pode ameaçar a base de poder Illuminati.

19. Os Illuminati estão fazendo todo o possível para conter o programa espacial pela mesma razão. Se a humanidade estivesse espalhada pelosistema solar, seria muito mais difícil controlá-la. (Nem todos os Illuminati concordam com isso. Alguns deles cobiçam pela riqueza mineral que existe no espaço e outros desejam (literamente) conquistar novos mundos.)

20. E alguns deles estão em contato com seres alienígenas. Alguns deles SÃO alienígenas. Por que “seres avançados” desejariam se envolver com os assuntos dos terráqueos? Boa pergunta.

21. Pior, alguns deles têm realmente poderes mágicos e estão aliados a forças de… algum outro lugar. Seres imensos que nos deixam loucos só de olhar para eles ou criaturas pequenas e maliciosas que brilham e ficam balbuciando nos cantos escuros. Eles têm alfinetes e bonecos e conhecem as palavras antigas.

22. Outros Illuminati abraçaram a tecnologia. Seus arquivos de informação são muito mais úteis quando apoiados pelo poder dos computadores. Eles estão condicionando as pessoas a pensarem que os computadores são tão complicados e perigosos que apenas especialistas deveriam brincar com eles. Na próxima vez que você receber uma conta de energia no valor de $ 666.666.666,66 você já sabe quem está por trás dela.

23. Alguns desses tecnófilos foram um passo além e criaram máquinas realmente inteligentes. Estes computadores sencientes são hoje, eles próprios, uma força poderosa entre os dirigentes Illuminati.

24. Os Illuminati não gostam da guerra: ela é cara e destrutiva. A guerra só acontece quando dois grupos Illuminati estão muito equilibrados e nenhum deles está disposto a negociar. Mas então eles atiçam algumas nações a um fervor patriótico e vão à luta.

25. Eles enviam mensagens secretas através de jornais, ondas de rádio e televisão – nos anúncios classificados e até mesmo escondidas nos noticiários. Eles têm outras formas, ainda mais estranhas de comunicação secreta… tudo ao seu redor, o tempo todo.

26. Eles mantém a todos – isso mesmo, a todos – sob vigilância constante. Toda vez que você preenche um questionário, você está tecendo mais um fio da rede que prende o mundo.

27. Eles trabalham para fazer com que as leis sejam o mais confusas possível, de modo que tudo seja ilegal ou potencialmente ilegal. Desta forma, eles controlam todos e cada um tem medo da lei.

28. Eles encorajam a resistência à autoridade entre os jovens e dissidentes políticos para distrair a atenção do governo do verdadeiro inimigo, infiltrado no próprio governo.

29. Mas, quando eles conseguem um nível satisfatório de controle, envidam seus esforços para extinguir a independência e a encorajar a obediência cega a quaisquer ordens vindas dos Illuminati ou de seus servos.

30. Eles cometem atrocidades ao acaso – envenenando comida em mercados, assassinando velinhas cegas, colocando franco-atiradores numa auto-estrada – só para deixar a população confusa, amedrontada e paranóica.

31. Eles suprimem todas as invenções que possam mudar o status quo. O carburador que faz 40km por litro de gasolina, o anticoncepcional perfeito e a planta cornucópia estão todos guardados nos cofres dos Illuminati, esperando pelo dia quando será propício aos Mestres Secretos liberá-los. O que aconteceu com os inventores? Foram subornados, intimidados ou simplesmente desapareceram.

32. Por outro lado eles também mantém laboratórios secretos onde são desenvolvidas novas armas e equipamentos de todos os tipos.

33. Suas investigações arcanas causam todo tipo de mistério. Já parou para pensar sobre o monstro do Loch Ness? As “mutilações do gado”? A virose de Oregon?

34. E eles precisam de centenas de vítimas humanas anualmente para suas experiências. Já parou para pensar por que é que existem tantos comunicados de pessoas desaparecidas e por que somente tão poucas pessoas são encontradas?

35. Eles estão o tempo experimentando novos tipos de controle mental. Eles colocam drogas na água potável, inserem mensagens subliminares em filmes e programas de TV e incluem instruções inaudíveis pelas caixas de som de supermercados. Eles também fazem experiências com dispositivos de microondas e freqüências ultra-baixas.

36. E cada fio em sua casa é um caminho em potencial para mensagens, ataques ou raios de controle Illuminati. Você já sequer parou para pensar em quantos fios chegam à sua casa? E você tem alguma idéia de onde eles realmente vêm?

37. Naturalmente, eles desencorajam a investigação do estranho e incomum porque isso pode levá-las à eles. Mas eles encorajam pessoas a fazerem piadas sobre os Illuminati.

38. Eles também publicam tablóides de supermercado, só para terem certeza de que todos pensem que “o Cérebro de Hitler está vivo!” e que o “Pé Grande visto no Hawaii” são apenas brincadeiras.

39. E eles encorajam os mais loucos “pesquisadores” de pseudo-ciências que possam encontrar, porque isso tende a descreditar legítimos do incomum.

40. Uma crença popular é que os Illuminati querem o poder para seu próprio bem. Isso é verdade para alguns deles. Mas outros grupos Illuminati existem para apoiar uma ideologia, para atingir um objetivo específico ou simplesmente para se oporem a outros grupos Illuminati.

41. Uma de suas maiores preocupações é a extensão da vida através de quaisquer meios possíveis. Ninguém que tenha alcançado poder absoluto por cinquenta anos está disposto a abandoná-lo. Tudo que você possa pensar… yoga, criogenia, troca de corpos, mágica, clonagem, glândulas de bode (ou outros animais), transfusões, duplicação de personalidade computadorizada… já foi tentado pelos Illuminati em uma ou outra ocasião. Algumas delas funcionam.

42. Além disso, Illuminatis poderosos de séculos passados esperam para serem revividos quando a ciência permitir. Múmias, cadáveres em conserva, corpos congelados, cérebros conscientes em frascos… você reconheceria os nomes se pudéssemos mencioná-los.

43. Você não tem permissão para saber sobre essa.

44. Eles utilizam doenças como armas para disciplinarem suas próprias populações ou destruir populaçãos competidoras. A Peste Negra na Europa, varíola entre os Índios Americanos… A gripe suína, uns anos atrás, foi frustrada por forças opositoras, ou você provavelmente não estaria lendo isso.

45. Eles possuem uma variedade de servos desumanos e não-humanos. Os temidos Homens de Preto talvez sejam seus agentes mais conhecidos. Ninguém sabe se os MIBs são andróides, golens ou algo ainda pior. Talvez já tenham sido humanos uma vez…

46. E eles realmente estão criando uma Raça Mestre. Os Nazistas não tinham idéia de como estavam sendo usados ou porque. E eles ficariam horrorizados com o ideal Illuminati de perfeição.

47. Os Illuminati sabem de estranhas técnicas sexuais sequer sonhadas pelo Kama Sutra. Eles também sabem porque essas técnicas são usadas.

48. A próxima vez que você gastar muito dinheiro para comprar algo que não queira ou precise, e que quebre em uma semana, você pode ter certeza que acabou de contribuir para algum projeto Illuminati de arrecadação de fundos.

49. Eles começam correntes. Eles também plantam rumores de que a Cruz Vermelha pode comprar um pulmão de ferro se você enviar a eles um milhão de maços de cigarro, e que crianças morrendo na Inglaterra querem dez milhões de cartões de visitas. Ninguém sabe porque eles fazem isso.

50. Fnord.