Ninja

29 de nov de 2011

Piada do dia

28 de nov de 2011

ta é sem graça... mas ta ae

Suck This

26 de nov de 2011

Globo

25 de nov de 2011
bastardstilldeath:

Eles te fazem de marionete, eles controlam seus movimentos, você não tem liberdade para escolher o que quer ver, você não tem liberdade para se movimentar, então, pegue uma tesoura, corte os fios e desligue a televisão.
 Att. Akira

Eles te fazem de marionete, eles controlam seus movimentos, você não tem liberdade para escolher o que quer ver, você não tem liberdade para se movimentar, então, pegue uma tesoura, corte os fios e desligue a televisão.

Att. Akira

será?

19 de nov de 2011
só o hermano @LeeoMedina vai entender

Poesias

17 de nov de 2011

vi lá no sad but troll

Late_for_class.png (390×224)

Nome: Divulgado somente as iniciais D.F
Conhecido Como: O Maníaco da Cruz
Idade: 16 Anos na época (Hoje tem 19 anos)
Acusação: Homicídio doloso
Vítimas: 3
Pena: 3 Anos
Local: Rio Brilhante, Mato Grosso do Sul. Brasil
Período: 24 de Julho de 2008 a 06 de Outubro de 2008
Situação: Internado

Rio Brilhante, Mato Grosso do Sul. Madrugada de 25 de Setembro de 2008

Duas adolescentes menores de idade curtem um show da dupla sertaneja Maria Cecília e Rodolfo na cidade de Rio Brilhante, Mato Grosso do sul. O show fazia parte das comemorações do aniversário da cidade. Uma delas, conhecida como Carla, de 17 anos, decide ir embora. Tenta ligar para sua mãe mas os créditos do seu celular haviam acabado. Ela resolve ir a um orelhão. Faz contato com sua mãe e pede para que a mesma ou outro conhecido venha buscá-la para ir embora. Sua mãe tenta pedir um Taxi mas não consegue, por fim pede a um conhecido da família que vá buscar a filha. A mãe de Carla liga para sua filha para comunicar: a essa hora, Carla já não atende mais o telefone.
Carla aguardava o retorno da ligação de sua mãe quando uma figura meio grotesca, meio sinistra, apareçe em sua frente: um homem vestindo roupas e capas pretas, usando um cordão com um pentagrama e com os olhos, unhas e lábios pintados de preto. E o pior: portando uma faca.
Sem dizer muitas palavras o homem aproxima-se e diz: “Vai andando vadia”. Caminharam por vários minutos entre as ruas da pequena cidade de Rio Brilhante. Enquanto caminhavam, o estranho homem a todo momento falava que a libertaria dos seus pecados e que a enviaria para o céu. Por fim acharam uma casa em construção. Foi aí que começou “A Entrevista”.

A Entrevista

Estranho: Você acredita em Deus ?
Carla: Sim
Estranho: Você é virgem ?
Carla: Sim
Estranho: Quantos namorados já teve ?
Carla: Nenhum
Estranho: Qual sua opção sexual ?
Carla: Sou heterossexual


Enquanto era “entrevistada” pelo estranho homem, o celular de Carla não parava de tocar, era sua mãe, desesperada em busca de informações sobre a filha. Em dado momento o estranho disse:
 “Você deve ser amada por sua família”.
 “Sim, muito” respondeu Carla.

Depois de mais de duas horas de “entrevista” o estranho homem disse:
“Você é realmente ingênua. Saí para matar uma vadia e encontrei você. Você está livre.”
Rio Brilhante, Mato Grosso do Sul. 08 de Outubro de 2008
Anoitece em Rio Brilhante, Mato Grosso do Sul. Os moradores da pequena cidade de 27 mil habitantes estão apavorados. As ruas da cidade estão todas desertas, ninguém ousa sair de casa. O motivo de tanto terror veio 2 dias antes: o corpo de uma adolescente de 13 anos foi encontrado em uma construção na Rua Manoel Bento, no Conjunto Por do Sol em Rio Brilhante. O corpo estava posicionado em forma de “crucificação“, com os pés cruzados e os braços abertos. Esse já era o terceiro crime com as mesmas características ocorrido nos últimos meses na cidade.
A população estava com medo e a polícia não tinha dúvidas: havia um serial-killer a solta.

24 de Julho de 2008 – O Primeiro Crime

O pedreiro Catalino Cardena, de 33 anos é encontrado morto em um terreno baldio na Rua Mohamed Ali, no centro da cidade. Segundo a perícia ele foi morto com uma facada no coração e enforcado com um saco de lixo. Em seu peito, foi escrito à faca a palavra “INRI” que significa Jesus Nazareno, Rei dos Judeus.

24 de Agosto de 2008 – O Segundo Crime
Exatamente um mês depois, Letícia Neves de Oliveira, 22 anos, sai de casa a noite e diz que vai encontrar com amigos. Ela não voltou mais. Seu corpo foi encontrado a apenas 40 metros de sua casa, dentro do cemitério São Cristóvão. A cena deixou os moradores e policiais da cidade assustados: Letícia estava despida, deitada em cima de um túmulo com os braços abertos e as pernas juntas com os pés cruzados, como se tivesse sido crucificada. O legista atestou como causa da morte asfixia causada por esganadura.
Essas mortes por si só já poderiam causar estranheza e indicar que havia um assassino em série na cidade. A causa da morte, porém, reforça a tese de que realmente as mortes foram causadas por um serial-killer.
“A pena capital de crucificar condenados, na antiguidade, é notadamente uma forma cruel de matar por asfixia, já que a pessoa colocada em pé e com os braços abertos em posição de 180 graus impede, ao longo de um determinado período, que a pessoa continue respirando. Ela morre por asfixia.”
O assassino seguia um ritual e era inteligente. Ele sabia que pessoas crucificadas morriam por asfixia, por isso matava as suas vítimas esganadas.

24 de Agosto de 2008 – O terceiro crime ?
As mortes e a forma como os crimes aconteceram assustam os moradores de Rio Brilhante, apesar da polícia ainda não admitir a ação de um serial-killer, para a população, isso tudo era obra do mesmo assassino. Com medo de que o serial-killer seguisse o padrão: (matar no dia 24 de cada mês), pais não deixavam suas filhas irem as aulas, comércios fechando antes do horário, ruas, praças e calçadas desertas. Ninguém ousa sair de casa. Um show, porém, aconteceria naquela noite. O show de uma dupla sertaneja foi um fracasso de público, mas alguns arriscaram, como uma estudante de nome Carla.

“Isso aqui é um filme de terror. O suspeito pode estar no meio da gente, do nosso lado e nós não vemos”, disse na época a estudante Tatiane Ferreira, 18 anos. Uma das poucas a comparecerem em sala de aula.

“O pessoal fica com medo, só fala disso agora, parece filme de americano, teve até funcionário pedindo para não trabalhar a noite, tem que achar logo esse maníaco”, declarou à imprensa na época o morador José Antônio, dono de ume estabelecimento comercial.

“Aqui tá todo mundo com medo, para você ter uma idéia, no dia 24 de setembro, o pessoal ficou com medo de sair de casa, acabou não acontecendo nada, parece que o assassino mudou de idéia”. Disse na época a moradora Izabel Dias, de 50 anos.


Mas o que a moradora não sabia era que o assassino tinha pego uma nova vítima, mas não a matou, porque ela “passou na entrevista.”
Boato
Como em toda cidade pequena, os boatos pipocaram depois das 2 mortes. Bilhetes foram encontrados ao lado das vítimas. Não demorou para que corresse um boato na cidade de que o bilhete continha o nome de 7 pessoas a serem mortas. “A lista do diabo”, diziam. Boato que não foi (logicamente) confirmado pela polícia.
A Investigação
A polícia não tem nenhuma pista dos assassinatos, nenhum suspeito e nenhuma evidência física. A principal linha de investigação era a ação de uma Seita Satânica. Porém, sem experiência nesse tipo de crime e com a pressão da população e da imprensa aumentando, a Polícia Civil de Rio Brilhante pede ajuda à Polícia Regional. O delegado, Nazi El Kadri, junta forças com policiais do Serviço de Investigação Geral (SIG) do município vizinho de Dourados. Os crimes, batizados de “Crimes da Cruz”, ganham as manchetes do Brasil.
A polícia investigava o caso quando o terceiro corpo apareceu. Gleice Kelly da Silva, 13 anos, foi encontrada morta em uma casa em construção na Rua Manoel Bento, no Conjunto Por do Sol no dia 07 de outubro de 2008. No local do crime foram encontradas algumas cruzes e um bilhete com letras soltas. Uma das palavras que as letras formavam era INFERNO.
A descoberta do corpo da jovem Gleice Kelly deixou a cidade em choque e a polícia pressionada.
Mas o que a polícia não sabia era que a prisão do Maníaco seria muito mais fácil do que eles imaginavam e viria de uma pista muito menos inimaginável ainda: O ORKUT.


Página de recados do Perfil na Rede de Relacionamentos Orkut de Gleice Kelly

Após verem esse comentário na página de recados do Perfil no ORKUT de Gleice Kelly, a polícia começou a investigar o usuário DOG HELL 666. Perceberam que o usuário era gótico . Em seu álbum de fotos, várias fotos em cemitério e simulações de rituais satânicos.

O usuário DOG HELL 666. Na foto ele está sentado em cima de um túmulo no cemitério da cidade de Rio Brilhante.


Outra foto do suspeito no cemitério

Em outra foto do seu perfil no Orkut, o usuário DOG HELL 666 simula um ritual Satânico


Outra foto do usuário DOG HELL 666 em seu Álbum no Orkut

Algumas comunidades do suspeito chamaram a atenção da polícia:

Eu odeio sol
Eu adoro cadáveres
Necrofilia
Eu LAMBO meu sangue
Cemitério minha segunda casa
Um soco vale + q 1000 palavras
Morte às góticas vadias
Sorrir deforma o rosto
Eu não tenho medo do seu Deus

Essas pistas foram importantes mas não eram suficientes. Deveria ter algo mais concreto. O sigilo telefônico de Gleice Kelly foi quebrado e a polícia descobriu que um número desconhecido de celular ligava para o número dela mesmo após a sua morte. Ao investigar, descobriu-se que o número era de um menor de 16 anos da cidade. E como suspeitava a polícia, o menor era o usuário DOG HELL 666 que estava insultando os amigos de Gleice Kelly noORKUT.

As 02:00 horas da madrugada do dia 09 de outubro, o menor foi apreendido em sua casa. Em seu quarto a polícia encontrou:
canivete sujo de sangue (usado para marcar o peito da primeira vítima),
a blusa e o celular de Gleice Kelly,
pulseiras de Letícia de Oliveira,
recortes de jornais com reportagens sobre o caso,
um poster do Maníaco do Parque
revistas pornográficas

Lista das Vítimas escritas em um papel Encontrada na Casa do Maníaco da Cruz





O menor D.F, de 16 anos, conhecido como "Maníaco da Cruz" é transferido por medida de segurança.


O Maníaco da Cruz














A frieza do adolescente deixou os policiais boquiabertos. O menor não demonstrava remorso e dizia que planejava matar novamente.
Segundo o menor, ele matava as vítimas porque elas acreditavam em Deus mas não viviam conforme seus ensinamentos divinos. Catalino morreu porque era alcôolatra e homossexual. Letícia porque supostamente era homossexual e Gleice por ser usuária de drogas. Colocava as vítimas em posição de crucificação para que elas “encontrassem o seu Deus”, segundo ele, nessa posição, a “salvação viria logo”.
A investigação da polícia concluiu que o adolescente era líder de um grupo que frequentava cemitérios e adorava a imagem de Satã. Outros 5 menores foram indiciados por participação indireta nos crimes: Eles sabiam que D.F. havia matado mas não contaram nada à polícia por respeito ao “Líder“. Uma namorada virtual do Maníaco da Cruz, de nome Daniela de Umuarama, Paraná também foi investigada. Através de mensagens no ORKUT, o Maníaco havia dito a ela que ele havia matado as 3 pessoas. Em sua página no ORKUT ela colocou uma foto dele com a legenda“amorsinhooooooooooo” e a outra “amoooooooooooo vc pra sempre!!!!!”

Foto de D.F. no álbum de sua namorada virtual do Paraná, de nome Dany
Modus Operandi
O Maníaco da Cruz saía à caça durante a noite. Aleatoriamente rendia com uma faca a primeira pessoa que aparecesse na sua frente (de preferência mulheres). As obrigavam a seguí-lo até encontrar um local deserto, normalmente um cemitério, lotes baldios ou construções.
O Ritual
O Maníaco da Cruz fazia uma entrevista com a vítima e de acordo com suas respostas, ele decidia se ela deveria ou não morrer. Se ele considerasse a pessoa “impura” ele a asfixiava gritando: “E agora ? Você acredita no seu Deus ?” Colocava o ouvido no peito da vítima para assegurar que o seu coração havia parado de bater então colocava os corpos em posição de crucificação.
Análise Psicológica
Um laudo psicológico feito na época atestou o adolescente como normal, não tendo nenhum tipo de distúrbio mental.
Um outro teste foi feito a pedido do Ministério Público, o Rorschach, um teste psicológico mais detalhado, método de psicodiagnóstico para analisar traços de personalidade e até pensamentos inconscientes.
Mais uma vez o menor foi considerado normal mas de extrema periculosidade, podendo matar novamente se for solto.
O promotor da Infância e Juventude, Juliano Albuquerque, denunciou o jovem por homicídio doloso, aquele em que houve a intenção de matar. Por ser menor de idade, o adolescente foi recolhido para a Unidade Educacional de Ibtenação (UNEI). Segundo o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), o menor deverá ficar internado por, no máximo, 3 anos. Segundo o artigo 121, em hipótese alguma esse prazo deverá ser excedido.
O prazo termina em outubro desse ano. O caso está nas mãos da juízaLarissa Castilho da Silva Farias, da 1ª Vara Cível de Ponta Porã. Ela que decidirá se o jovem continua internado ou se obterá a liberdade.
Os Anos Internado
O menor sempre teve comportamento exemplar na Unidade. Em dezembro de 2008 foi agredido por um companheiro de cela, levou 6 pontos na cabeça.
“Se tivesse todos (internos) como ele, seria uma maravilha. Não daria alteração”, ressalta o diretor Paulo César Vilaverde Torraca. Paulo explica que o jovem fica em alojamento separado apenas devido ao tratamento psicológico que faz.
Segundo o diretor, o rapaz faz todas as atividades que devem ser feitas em conjunto com os outros internos. O diretor enfatiza que o jovem é bom e calado. “Fica sempre na dele”.
Os familiares do Maníaco da Cruz o visitam uma vez por mês vê. Conforme o diretor, a mãe, o padrasto e uma tia vão frequentemente à Unei para ver o jovem.
Carla, a Única Que Passou Pela “Entrevista”


Com uma jaqueta da Polícia cobrindo o rosto, a adolescente Carla (17 anos na época) conta para a imprensa como escapou do Maníaco da Cruz

“Não demonstrei medo, não entrei em pânico e deixei ele falar. Durante todo o momento achei que não sairia viva”, contou Carla.


Ao ser entrevistada, Carla inteligentemente percebeu o que se passava na cabeça alienada do Maníaco. Respondeu a todas as suas perguntas de forma a não contrariá-lo.

O jornalista Paulo Lopes conta em seu blog que a primeira pergunta que D.F. fez foi se ela acreditava em Deus. Ela disse que sim e devolveu a pergunta, numa tentativa de estabelecer um diálogo amigável: “E você, acredita em Deus?”. Ele disse que não. O rapaz também quis saber se ela era virgem e a resposta foi sim. Perguntou várias vezes se ela tinha namorado e Carla sempre respondeu que não. Ela perguntou o mesmo para o rapaz e ele disse: “Você acha que alguém namoraria comigo?”. Ela:“Acho que sim”. A esperteza de demonstrar interesse por ele parece que funcionou.

Em uma twitcam feita na noite de sábado (12), a banda Gloria anunciou a saída do baterista Eloy Casagrande da banda. Ainda sem divulgar o nome do novo baterista, a banda afirma que quem quiser saber sobre quem assume as baquetas do Gloria, terá que dar as caras no próximo show da banda que está marcado para o dia 09 de dezembro no Hangar 110 em São Paulo.
A saída do Eloy se deu pelo convite da banda Sepultura para assumir as baquetas da banda, Jean Dolabella deve sair da banda para se dedicar aos seus outros projetos.
Em uma nota divulgada no site do Sepultura (e rapidamente retirada do ar), a banda comentava a entrada do Eloy para a banda e a saída do Jean.


O Sepultura agradece a Jean Dolabella pela sua dedicação à banda e deseja sorte em seus novos projetos. “O período do Jean na banda foi muito positivo, fizemos dois grandes discos e incontáveis concertos que ficarão para a história do Sepultura. Só temos a agradecer a sua contribuição e energia durante estes anos”, acrescenta Kisser.

“Eu tenho certeza que o Eloy vai fazer um grande trabalho com o Sepultura, ele já é um músico que demonstra muita segurança e técnica, apesar de ser jovem”, acredita Andreas Kisser. “Fizemos um ensaio com ele e a casa caiu, foi fantástico, tocou o material antigo e o novo como se tivesse na banda há muito tempo. O Sepultura mostra ao mundo mais um monstro brasileiro da bateria.”

Apesar da saída do Eloy, o baterista gravou todas as músicas do novo álbum da banda que terá seu pré-lançamento no show do Hangar 110 e será lançado ainda esse ano com treze músicas.


Abaixo o a twitcam



Fonte :nação da música

Dorgas...

11 de nov de 2011
Dorgas manolo.. porque hoje é sexta


Agora é oficial: o Black Sabbath está de volta e com Ozzy Osbourne nos vocais. Em anúncio dado no final da tarde desta sexta, 11, o grupo de heavy metal anunciou uma turnê mundial e um disco de inéditas produzido por Rick Rubin, o primeiro com Osbourne em 33 anos. A informação foi dada no site original da banda.
O show de retorno da banda ocorrerá no dia 12 de junho de 2012 durante o festival Download Fest em Leicestershire, Inglaterra. Nesse mesmo o festival, o Metallica apresentará a íntegra de seu disco homônimo, conhecido também como "Álbum Preto". Não foram dados detalhes sobre a turnê mundial, mas os locais e as datas devem ser anunciados em breve.
Os boatos de reunião da banda começaram quando o site do tabloide britânico Birmingham Mail publicou em agosto a notícia bombástica de que o Black Sabbath estava ensaiando para uma turnê e preparando um novo álbum. "Estamos muito ansiosos e acho que as novas composições são muito boas. Parece com o som original", disse Iommi, que afirmou que a reunião tem sido guardada como segredo há um bom tempo.
Posteriomente, Iommi se disse indignado que essa informação tivesse vazado, já que havia relevado tudo isso a um jornalista informalmente, não em uma entrevista. Em outubro, Ozzy Osbourne disse em entrevista ao site da revista Billboard que “sim, há uma possibilidade muito, muito forte” de a banda voltar. A última reunião do grupo com Ozzy, em 1997, gerou o álbum ao vivo Reunion (1998), que continha duas canções inéditas de estúdio, "Psycho Man" e "Selling My Soul". A versão de "Iron Man" do disco ganhou o Grammy em 2000 por melhor performance de metal.


Fonte aqui

Esconda-se

10 de nov de 2011

Fail do dia

9 de nov de 2011

SHOW DO GAYSTART  RESTART


SHOW DO SLIPKNOT


é por isso que prefiro um show do slipknot


Era sexta-feira, 1º de fevereiro de 1974, e aproximadamente 756 pessoas distribuíam-se pelos 25 andares do Edifício Joelma (hoje nomeado Edifício Praça da Bandeira), localizado no nº 225 da Avenida Nove de Julho, Praça da Bandeira, região Central de São Paulo - Brasil
.
Por volta das 08:50 horas um funcionário ouviu um ruído de vidro rompendo, proveniente de um dos escritórios do 12º andar. Foi até lá para verificar e constatou que um aparelho de ar condicionado estava queimando. Foi correndo até o quadro de luz daquele piso para desligar a energia; mas ao voltar encontrou fogo seguindo pela fiação exposta ao longo da parede. As cortinas se incendiaram e o incêndio começou a se propagar pelas placas combustíveis do forro. Correu para apanhar o extintor portátil, mas ao chegar não conseguiu mais adentrar à sala, devido à intensa fumaça. Subiu as escadas até o 13º andar, alertou os ocupantes e ao tentar voltar ao 12º pavimento, encontrou densa fumaça e muito calor. A partir daí o incêndio, sem controle algum, tomou todo o prédio. Foram feitas várias corridas de elevadores até que a atmosfera permitisse, salvando muitas pessoas; porém uma ascensorista na tentativa de salvar mais vidas, após as condições ficarem muito ruins, morreu no 20º andar.

Segundo perícias, a causa do incêndio foi um curto-circuito em um equipamento de ar-condicionado em um dos andares, provocando um super aquecimento na fiação elétrica, gerando o primeiro foco de fogo, o qual se espalhou por todo o edifício.

O saldo da tragédia foi de 179 mortos e 300 feridos.

Uma das tragédias desse incêndio que mais impressionou, foi o fato de treze pessoas tentaram escapar por um elevador, não conseguindo, e morrendo carbonizados em seu interior, sendo que devido ao estado dos cadáveres, os corpos não foram identificados, pois naquela época ainda não existia a análise de DNA, sendo então enterrados lado a lado no Cemitério São Pedro, localizado na Av. Francisco Falconi, 837, Vila Alpina em São Paulo.
Os corpos deram origem ao mistério das Treze Almas, e a elas são atribuídos milagres, ficando conhecidas como as 13 Almas não identificadas. Muitos acreditam que os espíritos das pessoas mortas no incêndio vagueiam pelo prédio até os dias de hoje.
O local atrai centenas de curiosos, principalmente às segundas-feiras, dia das almas. Ao lado da sepultura, existe hoje uma capela.
"Contam alguns visitantes que em certos momentos ouvem sons de pessoas chorando, e quando vão verificar de onde vem, descobrem que o som está sainda da tumba dos 13 corpos vítimas do incêndio, sendo que o som dos choros só para quando colocam água sobre a sepultura".
Esse é mais um dos mistérios que rondam o incidente do Edifício Joelma.


Vista Aérea do Cemitério São Pedro em São Paulo
(Coordenadas: 23°35'26.18"S, 46°33'53.89"O)

Passados muitos anos da tragédia, o antigo Edifício Joelma foi reformado, sendo batizado com o nome de Edifício Praça a Bandeira, disponibilizando para aluguel várias salas para escritórios e empresas. No entanto pessoas que frequentam o local relatam fatos estranhos e sombrios no interior do edifício, como os descritos a seguir:


"Em um escritório da advocacia alugado pouco tempo após a re-inauguração, uma assistente ficou até mais tarde para organizar os documentos deixados no final do expediente.
Como já era tarde da noite, e devido a existência de muitas salas ainda vazias e sem utilização, o prédio mantinha um silêncio sombrio e assustador.
Isso em conjunto com as lembranças do incêndio que ocorreu no passado, produzia um ambiente ainda mais assustador.
Em certo momento a assistente ouviu um barulho na ante-sala do escritório, como se a porta tivesse sido aberta.
Quando ela foi olhar, a porta estava fechada, como havia estado antes.
Então ela imaginou que fosse uma outra porta em outra sala do mesmo andar que havia gerado aquele ruído.
Instantes depois ela ouviu o baruho novamente, e quando se voltou, viu um vulto de uma mulher passando pela ante-sala.
Ela se assustou chegando a dar uma grito.
Foi observar novamente e não havia ninguém no local, apenas ela. Rapidametne ela pegou suas coisas, e saiu do escritório. Quando foi trancar a porta, novamente ela viu o vulto de uma mulher no fundo do corredor, desaparecendo em seguida.
A assistente rapidamente deixou o edifício e tempos depois se demitiu, pois havia a necessidade de ficar em alguns dias até mais tarde e ela não concordou com a solicitação, temendo ver aquele vulto novamente ou algo ainda pior ".

Este outro fato foi relatado por um motorista que fazia entregas no Edifício:
"Havia chegado com minha perua Kombi no sub-solo do Edifício "Praça da Bandeira", para entrega de algumas encomendas, isso aproximaamente às 20:00' horas.
Estacionei como de costume, sendo que meu ajudante retirou as encomendas da perua para entregá-las no local solicitado. Permaneci então ali dentro da perua sozinho, aguardando o retorno do ajudante para irmos embora.
Algum tempo depois, como que por espanto, vi surgir no fundo do estacionamento uma mulher vestida toda de branco, sendo que ela veio se deslocando em direção à minha perua.
Nesse momento notei que ela não estava caminhando, e sim flutuando a alguns centímetros do chão, indo em direção à outra parede do estacionamento, desaparecendo em seguida.
Saí então da perua e subi até o andar onde estava meu ajudante, e contei para ele o acontecido, saindo em seguida rapidamente do edifício.
Hoje evito de todas as maneiras fazer entregas à noite naquele local".

Segundo depoimentos de testemunhas, muitos outros fatos sobrenaturais ocorreram e ainda ocorrem no Edifício "Praça das Bandeiras" (antigo Joelma), assustando até as pessoas mais desavisadas.

VISTA AÉREA DO EDIFÍCIO "PRAÇA DAS BANDEIRAS" (ANTIGO JOELMA) EM SÃO PAULO - BRASIL
* Coordenadas ( 23°32'57.88"S, 46°38'26.18"O) *
Volquimar Carvalho dos Santos



A professora Volquimar Carvalho dos Santos, 21 anos, trabalhava no setor de processamento de dados de um banco que funcionava no 23º andar do Edifico Joelma. Ela era funcionária da empresa havia um ano e meio. O irmão dela, Álvaro, trabalhava no 10º andar do mesmo prédio. A família de Volquimar é espírita. Ao ser dado o aviso de incêndio, Volquimar e outras quatro companheiras tentaram fugir pela escada, mas quase foram atropeladas pelos funcionários desesperados que tentavam se salvar.
Elas correram para a cobertura do prédio, mas acabaram morrendo por asfixia. Álvaro, irmão de Volquimar, sobreviveu ao incêndio. Álvaro localizou o corpo da irmã no IML horas depois do incêndio ter terminado. Meses depois, Volquimar enviou uma mensagem psicografada para a mãe através do médium Chico Xavier. Na mensagem ela contava como tinha sido os seus últimos minutos de vida.

Em 1979, a história de Volquimar se transformou no filme “Joelma, 23º andar”. O roteiro é baseado nas cartas psicografadas por Chico Xavier que estão no livro “Somos Seis”.

Fatos estranhos ocorreram durante as filmagens, como ruidos estranhos no local onde não havia ninguém, refletores que eram "derrubados" embora estivessem bem fixados, sendo um dos fatos mais incríveis, foi a imagem de uma "pessoa" que não estava nas filmagens ao lado dos personagens em uma das cenas, indicando nitidamente ser um dos possíveis "Fantasmas do Edifício Joelma".

Filme: Joelma - 23º Andar
Beth Goulart ... Lucimar
Liana Duval ... Lucinda
Vilma Camargo
Ugo Canessa
Ed Carlos
Oswaldo Cirillo
Jesse James Costa
Henrique Verona Cristófani
Marly de Fátima
Valdemar de Lima
Ivo de Oliveira
Thiago Fabris
Paulo Farah
João Abraão Felício
ELENCO
Maria Ferreira
Márcia Fraga
Lilian Gonçalves
Castor Guerra
Ruy Leal
Landa Lopes
Carlos Marques
Paulo Mustafá
Antônio Pettan
Daniele Rodrigues
Lourenço Luís Sanches
Oricema Silveira
Malu Stein
Alvamar Taddei
Chico Xavier

SERIA A INFLUÊNCIA DO PASSADO PREJUDICANDO O LOCAL?
"O CRIME DO POÇO"



O Poço construído nos fundos da casa com o objetivo de servir de Túmulo para as Vítimas do Crime

Dia 23 de novembro de 1948, depois de várias denuncias do estranho desaparecimentos de mulheres em uma casa da Rua Santo Antonio, no Bexiga, o químico e professor Paulo Ferreira de Camargo suicida-se no exato momento em que a policia retirava do poço do seu quintal os corpos de sua mãe e das duas irmãs, pessoas que ele havia matado há 19 dias.

“O Crime do Poço” como ficou conhecido, foi uma vingança de Paulo contra sua família que não aceitava seu romance com uma enfermeira. Havia muitas especulações, pois o suicida não dera nenhuma explicação.
Ao perceber a presença da polícia, cometeu o suicídio, deixando para sempre dúvidas e suposições das mais absurdas.

Paulo Ferreira de Camargo era Professor do Departamento de Química da Universidade de são Paulo, a qual se localizava naquela época na alameda Glette. Uma carreira brilhante, interrompida estupidamente.

Descobriu-se posteriormente que o Professor Paulo Ferreira fazia uso de drogas, isso talvez devido ao fácil acesso aos produtos químicos em sua profissão.

Também foi revelado por companheiros de onde lecionava, que o Professor Paulo Ferreira já apresentava à algum tempo um comportamento desiquilibrado, pois andava armado, e segundo constactado, havia efetuado disparos com seu revolver no interior do laboratório de química da faculdade.

Observa-se que após a retirada dos corpos das vítimas de dentro do poço, um dos bombeiros morreu de infecção cadavérica, sugerindo ser mais uma vítima da "maldição" contida no local.

[Obs.: Infecção Cadavérica: (Infecção cadavérica é uma infecção adquirida qdo em contacto com cadáveres, geralmente em necrotérios. O cadáver em decomposição é um depositório de bactérias e qdo entra em contacto com alguém sem luva, máscara, dá-se o contágio, provocando diversos tipos de infecções pelo corpo da vítima).]

A casa ficou fechada por muitos anos. Mais tarde foi demolida e no seu terreno foi construído o Edifício Joelma de tão triste memória.

O Professor Paulo Ferreira de Camargo (O Assassino)

Momento do resgate dos corpos no interior do Poço
(Local onde o Bombeiro adquiriu a Infecção Cadavérica)


"Os acontecimentos ocorridos na área do Edifício Joelma seriam obra do acaso, ou haveria alguma maldição naquele local, talvez influenciada pelo crime ali cometido?

Quem sabe? A única certeza é que essa, bem como outras respostas estão
"Além da Imaginação!"
OS MISTÉRIOS DO
EDIFÍCIO JOELMA



Nesta cena, pode-se notar nitidamente à direita, a imagem de uma mulher de forma "transparente".

Quando visualizada esta imagem pelas pessoas que participaram das filmagens, todos ficaram espantados, pois não havia ninguém além dos atores no local da fotografia.

"Seria um dos "Fantasmas do Edifício Joelma"?


Corpo do Professor Paulo Ferreira de Carmargo, quando encontrado no banheiro de sua residência, após ter se matado com um tiro de garrucha no peito.


Corpos das Vítimas após terem sido retirados do poço pelos soldados do corpo de bombeiros.
Os corpos estavam de cabeça para baixo com sacos cobrindo suas cabeças.

Corpos de algumas das vítimas do incêndio do Edifício Joelma
Fotos do Edifício Joelma em chamas no dia 1º de Fevereiro de 1974

Uma das canções de rock mais inusitadas do país,"Faroeste Caboclo", do inesquecível Renato Russo , ganhará as telas do cinema em 2011.
E para marcar o início desta ousada produção cinematográfica e explorar o rico universo dos 159 versos e 9 minutos de canção, o Yahoo! Brasil em parceria com a Gávea Filmes lança um projeto web colaborativo e inédito no país.
Neste portal, você poderá acompanhar muito mais do que apenas os bastidores, terá acesso a ensaios, entrevistas, matérias investigativas e curiosidades acerca do universo criado por Renato Russo na canção "Faroeste Caboclo", terá a real oportunidade de fazer parte da construção deste filme através de concursos, enquetes e promoções, e, lógico, saberá em primeira mão as notícias exclusivas da produção, como a que vem a seguir.

Em primeira mão
João de Santo Cristo, Maria Lúcia e Jeremias, personagens centrais da trama de "Faroeste Caboclo" agora têm corpo e voz. O primeiro grande desafio desta adaptação cinematográfica foi concluído. Escolhemos o nosso elenco principal.

Fabrício Boliveira - João de Santo Cristo

soteropolitano, 28 anos, nem peixes, nem ascendente escorpião, o rapaz é touro, com provável ascendente em sagitário, carimbado por passagens no teatro, no cinema e na televisão, marcado pelo reggae e por uma ex-namorada siderada por Renato Russo.

Ísis Valverde - Maria Lúcia

belo-horizontina, 23 anos, duplo aquário, fã de Tim Maia, devotada atriz-revelação da televisão, entusiasmada com sua merecidíssima estreia no cinema e, suspeita de saber de cor a letra da canção "Faroeste Caboclo".

Felipe Abib - Jeremias

carioca, 28 anos, sagitário ascendente em leão, formado pela Martins Pena e pela Univercidade, gabaritado com os espetáculos "Pterodátilos", "Corte Seco" e "Cachorro!" e influenciado por Led Zeppelin, Raul Seixas, Raimundos e, claro, Legião Urbana.