Vamos agora ver o caso do filme “A Paixão de Cristo”, de Mel Gibson, onde o blog Danizudo acusa de ter símbolos demoníacos, além de insinuar que o diretor tenha tais intenções. Confira o enunciado original do blog abaixo:

“Lançado em 2004, com bastante repercussão mundial, o filme A Paixão de Cristo de Mel Gibson não parece manter objetivos evangelísticos. Em outras palavras, se julgarmos pela quantidade de violência sensacionalista, pelas incoerências com os relatos bíblicos e as simbologias ocultas que podem ser identificadas, diríamos que o filme parece mais um deboche aos cristãos e a Deus. O quê? Um filme cristão carrega simbologias ocultas? Sim, parece que a Illuminati andou espalhando em mais um filme sua principal simbologia - o "um olho".

Existe uma tradição islâmica de que o Anticristo (simbologicamente ou não) terá apenas um olho saudável. Também, estudiosos da Bíblia acreditam que esta passagem profética a seguir é uma referência àquele que há de vir.

"A espada cairá sobre seu braço e sobre seu olho direito; e o seu braço completamente se secará e seu olho direito completamente se escurecerá." Zacarias 11:17”


Bem, vamos por partes.
Primeiramente, o ator Mel Gibson é um católico fervoroso, um cristão ultraconservador. Sem nenhum grande estúdio de Hollywood disposto a produzir “A Paixão de Cristo”, Mel Gibson se viu obrigado a tirar do próprio bolso 25 dos 30 milhões de dólares necessários para realizar o projeto. Para felicidade dele, esse valor foi praticamente o mesmo que este arrecadou apenas em seu primeiro dia em cartaz nos cinemas norte-americanos, vindo acumular quase US$ 300 milhões em cerca de quatro semanas. Com isso o longa-metragem se tornou o filme legendado de maior bilheteria da história dos Estados Unidos.

Sua meta para a realização do filme foi realmente evangelístico. Tanto que em suas exibições, provocou diversas reações a pessoas que se sentiram tocadas com o vídeo. Começando pelo ator Pedro Sarubbi (foto acima) que se converteu diante do filme. Sarubbi –que deu uma entrevista ao jornal italiano Avvenire– relatou que queria interpretar São Pedro mas o diretor Mel Gibson “tinha escolhido os atores baseando-se na semelhança com os personagens retratados nos quadros de Caravaggio e outros pintores”.

“Já como Barrabás, Gibson me disse que evitasse olhar para Jim Caviezel –que encarnava Jesus Cristo– até mesmo na cena em que deveríamos aparecer juntos. ‘Barrabás é como um cão feroz –me dizia–, mas há uma ocasião em que se torna um cachorrinho: ao encontrar-se com o Filho de Deus quando se salva. Quero que seu olhar seja daquele que vê Jesus pela primeira vez ’. Fiz como ele me havia dito, e quando nossos olhos se cruzaram senti uma espécie de corrente; era como se olhasse de verdade para Jesus. Nunca tinha me acontecido uma coisa parecida em todos meus anos de carreira”, indicou.

Para Sarubbi, “A Paixão” “foi uma experiência não só profissional, mas também, e sobretudo, humana. Não me envergonho de dizer que me converti durante a filmagem. Todos nós atores que participamos do filme mudamos um pouco depois dessa experiência, mas eu aprendi muito mais com o filme do que em qualquer conferência”.

SOBRE O FILME E SUAS SIMBOLOGIAS

O filme é uma narrativa sobre as últimas doze horas de vida de Jesus Cristo, interpretado pelo ator Jim Caviezel, desde o momento de captura, até seu açoitamento e crucificação. Diferente de outras produções cinematográficas às quais estamos habituados a ter contato, o filme tem poucas falas, destas, todas em hebraico, aramaico e latim, que eram línguas faladas na época e na região onde Cristo viveu, sendo que nem todas foram traduzidas.

Ver os escritos da Bíblia traduzidos em cenas tão fortes, fez com que muitas pessoas não resistissem à emoção e sucumbissem às lágrimas. Quando perguntadas sobre o que acharam do filme, e das cenas consideradas pela crítica cinematográfica como "as cenas mais violentas já mostradas nos cinemas", disseram que não é só a violência extrema que assusta e abala, mas o fato de saberem que aquilo realmente foi verdade, que Cristo realmente foi submetido a todos aqueles flagelos.

O diretor se baseou no evangelho de São Mateus, único profeta que descreveu Pôncio Pilatos, além disso, é neste evangelho que aparece a frase "seu sangue estará em nós e nos nossos filhos", frase esta que segundo o jornalista Osmar Freitas Jr., ao escrever para a revista Isto É serviu para justificar o anti-semitismo e a ideia de que os judeus foram culpados pela morte de Cristo.

Embora o filme não destacasse quem é a pessoa de Cristo, o significado de sua vida e vinda, seus ensinamentos e o sentido de Filho de Deus, Mel Gibson conseguiu atingir sua meta espiritual. A violência e carnificina apresentada no filme só foi uma parte de seu real sofrimento. Para uma pessoa que não conhece sobre a vida de Cristo e não tem um mínimo entendimento da Bíblia o filme fica solto, interpretado como simples cenas de violência gratuita e desmedida.

O filme deve ser visto como uma representação da sinopse da vida do Filho de Deus, onde toda a sua história na íntegra somente será conhecida a fundo se a pessoa procurar preencher as lacunas participando de uma comunidade ou instituição cristã. Devemos encarar estas partes não comentadas como um incentivo a nos levar a conhecer mais a vida deste homem, que veio ao mundo para mudá-lo, sendo comentado mesmo depois de 2 mil anos.

O filme apresenta muitos símbolos, onde sugiro que deva assistir acompanhado de alguém que conhece a Bíblia e seus símbolos, seja um seminarista, um catequista, um padre ou pastor ou outra pessoa que estude a Bíblia. Sem auxílio, alguma coisa será passada despercebida e perderá seu sentido. Informo que o vídeo é BASEADOno livro de Mateus, por isso o roteiro irá apresentar falas diferentes e em maior quantidade que a do livro original. Também digo que Mel Gibson apresenta algumas cenas que só podem ser vistas nos Evangelhos apócrifos, como no caso da cena da infância.

Informo abaixo algumas das simbologias utilizadas no filme:
CENA DE GETSÊMANI ou MONTE DAS OLIVEIRAS (Primeira Cena):

A primeira palavra pronunciada por Jesus é “Képhâs”, que vem do aramaico e significa “rochedo”, “rocha”, “pedra”. Também pode ser encontrado na Bíblia como Cefas, Cephas ou simplesmente “Pedro”. Mas por que Jesus o chamou assim?
Képhâs são rochas existentes na palestina, onde por ação da chuva, do sol e do vento abrem rachaduras que mais parecem altos corredores de pedras. Na verdade, caminhos de rochas. Nestes caminhos, ou seja, nestas “Képhâs” os pastores conduziam suas ovelhas para protegê-las dos predadores. Portanto, Cristo quis utilizar-se deste nome para indicar que Pedro seria o chefe da Igreja instituída, onde ele seria o pastor e deveria proteger o rebanho de Deus, que são os fíéis. Por isso que ele diz: “Tu serás Pedro e sobre esta pedra eu edificarei a minha Igreja”. Por isso que o Papa representa Pedro, o chefe da Igreja, e não a Cristo como muitos andam dizendo por aí. Ninguém é digno de representar a Cristo.

CENA DO SINÉDRIO

Aqui é onde Judas Iscariotes (Judas, Homem de Queriot) recebe as 30 moedas de prata dos fariseus pela entrega de Cristo. Esta cena deveria de acontecer antes da Cena do Monte das Oliveiras, pois segundo os Evangelhos (livros dos seguidores de Cristo que descrevem sua vida, morte e ressurreição), Judas já estava com o dinheiro na Última Ceia, tanto é que no próprio livro de Mateus, no capítulo 26, do versículo 14 ao 16 vemos Judas recebendo o dinheiro pela cabeça de Cristo. A Última Ceia só veio a ser comentada a partir do versículo 17. Assim procede em todos os Evangelhos.

SEGUNDA CENA DO MONTE DAS OLIVEIRAS –SURGE O DIABO

No Evangelho de Marcos, capítulo 14, versículo 38, Jesus volta-se para os três apóstolos mais próximos dele no Monte das Oliveiras e os encontra dormindo. Ele diz: “Vigiai e orai, para não cairdes em tentação! O espírito está pronto, mas a carne é fraca”. Para representar esta tentação, este mal, o diretor colocou a figura do diabo, através de uma figura andrógina (que não se diferencia se é de origem masculina ou feminina, ou apresenta um sexo e tem fortes características do outro sexo; que não se define) e da serpente. Quando Jesus pisa em sua cabeça, representa o mal vencido pelo bem, com referência à passagem do livro de Gênesis, capítulo 3, versículo 15.

PRISÃO DE JESUS

Os zelotes era um grupo de judeus radicalizados em sua oposição a Roma que dominava o povo de Deus.
O termo zelota ou zelote (em língua hebraica "kanai"; em língua grega, "zẽlõtẽs") significa literalmente alguém que é ciumento em nome de Deus, ou seja, alguém que demonstra excesso de zelo. Apesar de a palavra designar em nossos dias alguém com excesso de entusiasmo, a sua origem prende-se ao movimento político judaico do século I que procurava incitar o povo da Judéia a rebelar-se contra o Império Romano e expulsar os romanos pela força das armas, que conduziu à Primeira Rebelião Judaica (66-70), que terminou com a destruição de Jerusalém e do templo por obra de Tito Flávio. Nos evangelhos eles não são nomeados, embora a um dos doze, Simão (Pedro), seja dado o apelido de Zelotes, como podem ver no Evangelho de Lucas, capítulo 6, versículo 15.
Justamente pela característica de agir pela força das armas que Pedro será surpreendido por Jesus quando corta a orelha do soldado Malco, com sua espada. Jesus vem dizer a ele que não será dessa forma que o Reino de Deus se estabelecerá no mundo.
Na cena onde Jesus coloca novamente a orelha de Malco e a cura, o soldado faz um gesto com as mãos. São os dois dedos que significam a natureza de Cristo – Humana e Divina.

O ACORRENTAMENTO DE JESUS, CONDUZINDO-O AO SINÉDRIO


Quando Jesus cai do penhasco preso pelas correntes, se depara com Judas escondido numa gruta. Esta cena e o momento em que surge um monstro assustando Judas significa o tormento, a perseguição e a loucura causada pelo seu ato de traição.

JESUS NO SINÉDRIO

O blog Danizudo também afirma que seja uma referência ao Olho Illuminista o fato do personagem de Jesus estar com um olho ferido, a ponto de ficar fechado, por um golpe desferido de um soldado. Se levarmos em consideração todas as vezes que virmos um olho único acharmos que seja uma referência ao Illuminatis, estaremos perdidos, pois ninguém mais poderá ferir seu olho, ou fazer representações desse tipo. Ninguém mais pode ferir um olho em algum filme, pois será considerado um Illuminista. Não pode haver generalidades nas afirmações. Nem tudo tem o mesmo significado, isto é fato. Não apresento um ceticismo sem fundamentos, falo da realidade em que nós todos estamos.

Outra simbologia nesta cena de julgamento no sinédrio é quando o Sumo-Sacerdote Caifás rasga suas vestes ao ouvir de Jesus a afirmação de que ele era o Filho de DEUS. O ato de rasgar as vestes, para os judeus, significava uma atitude de indignação contra qualquer ato abominável que afrontasse ou maculasse a santidade divina.

É interessante, aliás, perceber uma séria divisão entre homens e mulheres. Enquanto os homens julgam, condenam e massacram Jesus, as mulheres choram, lamentam, se desesperam com sua situação. No filme, as mulheres, muito antes dos homens, já perceberiam que Jesus era especial, identificaram-se com ele – quem mais defenderia uma prostituta de um apedrejamento? Isso corrobora uma idéia bastante corrente desde o século XIX ocidental, de que as mulheres seriam mais afinadas com a religião, instância ligada à fé, às emoções e ao lar, enquanto os homens seriam mais insensíveis às questões de fé, preocupando-se mais com a vida do trabalho e da esfera pública.

A NEGAÇÃO DE PEDRO

Quando Jesus diz que Pedro o negaria três vezes antes do galo cantar, quer dizer que “antes do amanhecer” ele irá negá-lo. Por isso, não se ouve o canto do simbólico galo. Muitos filmes sobre a paixão de Cristo erram neste aspecto, pois colocam um galo cantando TRÊS vezes. Existe uma vírgula nisto tudo: “Antes que o galo cante,TRÊS VEZES IRÁ ME NEGAR”.

A MORTE DE JUDAS

As crianças com aparência monstruosa que perseguem Judas são a representação do tormento que ele está sofrendo, culminando em seu suicídio. No alto do monte aparecem ao todo 11 crianças o inquietando, uma alusão aos outros 11 apóstolos.
Todos os elementos que compõem a cena de sua morte são um destaque à situação desprezível e decadente da personagem de Judas, onde aparece até uma corda de um animal pútrido usada para seu enforcamento.

O FLAGELO DE JESUS

Jesus apanhou com um instrumento denominado "flagrum"(foto acima), de origem romana. Este instrumento é bastante semelhante a um chicote de três tiras, que possuem em cada extremidade duas bolinhas de chumbo. Ele recebeu mais de cem chicotadas, mesmo sendo a lei limitada a trinta e nove apenas. Esta agressão foi feita antes de Jesus ser encaminhado para a cruz e, deixou cortes profundos por todo o seu corpo.

ANDRÓGINO COM BEBÊ

Extraordinariamente interpretado pela atriz Rosalinda Celentano(foto abaixo), o diabo andrógino (plausível, já que o Diabo é considerado um anjo caído e anjo não possui sexo) carrega um bebê também de aspecto monstruoso, que simboliza o Anticristo como o“Filho da Perdição”.

A COROA DE ESPINHOS


A coroa que Jesus recebeu na cabeça, foi feita com uma planta tipo"Zizifus Spina", da família das ramnáceas e, não foi colocada com todo cuidado, devagarzinho, com jeitinho, na cabeça de Jesus. Segundo os estudiosos do Santo Sudário, a coroa, foi enterrada na cabeça de Jesus, na base da paulada. Mais de 70 espinhos perfuraram a cabeça de Jesus, provocando sérios sangramentos e hematomas. A coroa possuía uma forma de capacete e não de um círculo apenas.

Ainda tem mais! Levando em observação os estudos do Santo Sudário, podemos afirmar que Jesus carregou, sobre os ombros, oPatíbulo (tronco horizontal da Cruz). No filme, mostra Jesus carregando a cruz completa. No Monte Calvário (Monte da Caveira), deitaram-no no chão sobre a madeira e o pregaram com cravos nas mãos. Estes perfuraram o carpo – uma das três partes que compõem a mão. Um único cravo grande perfurou os dois pés de Jesus e atingiu a madeira. O cravo passou entre o segundo e o terceiro metatarso. Ergueram a cruz por meio de cordas.

A gente quando vê uma imagem de Jesus na cruz, pensa que Ele só sofreu uns cortes, umas “pancadinhas”... Jesus, na cruz, estava todo desfigurado. Era uma ferida só.

ENTRADA TRIUNFAL DE JESUS EM JERUSALÉM

A cena que aparece um jumento em primeiro plano com o povo ao redor segurando ramos nas mãos remete à passagem bíblica onde Jesus chega em Jerusalém, montado num jumento e sendo aclamado pelo povo segurando ramos nas mãos. O povo gritava: “Ele é o Rei!”, “Hosana ao Rei”. Esta é a origem do Domingo de Ramos na Igreja Católica Apostólica Romana.

"Hosana", que aparece 6 vezes na Bíblia é uma palavra que vem do latim "hosanna" e do hebraico "hoshi'anna". Esse nome é muito forte entre os católicos e os judeus e significa "saudação", "louvor", "aclamação" (aclamar quer dizer "aprovar alguém através de gritos", "aplaudir").

Em hebraico, a palavra hosana significa “salve-nos!” Era isso que aquele povo sofrido gritava à passagem de Jesus, montado em um simples jumento. O povo que pedia por sua salvação, reconhecia definitivamente naquele homem que passava o Salvador tão esperado, aquele que poderia libertá-lo do sofrimento e do jugo dos dominadores.

CAÍDAS DE JESUS

Pode-se perceber que em todo o filme, Mel Gibson não seguiu as quantidades certas apresentadas na bíblia. As chicotadas, que segundo as regras romanas o máximo seria 39 - levando em consideração as que recebeu á parte da punição oficial, como informei anteriormente, somando mais de cem (só que se colocasse essa quantidade demasiada, não haveria telespectador paciente que se encontrasse); as vezes que disse “Pai, afasta de mim este cálice, mas que seja feita a Sua Vontade”(que na verdade são três vezes e no filme ele fala apenas duas); das vezes que viu seus apóstolos dormindo (também foram três vezes e no filme foi uma); das vezes que caiu com a cruz (ele caiu três vezes, porém no filme ele cai mais).

UM DOS SOLDADOS ESTANCA O BRAÇO DE JESUS


Essa cena também não se encontra nas passagens bíblicas. É uma adaptação para mostrar a crueldade dos soldados romanos, que se divertiam com o sofrimento de Jesus. Nas passagens bíblicas uma das profecias dizem que o Filho do Homem não teria seus ossos quebrados. Por isso que quando o soldado romano tenta quebrar suas pernas (para morrer mais rápido), não consegue por motivo de tremores súbitos de terra.

O LADRÃO GESTAS

Outra referência ao Olho Único seria o do “ladrão mau” Gestas, também encontrado nas traduções bíblicas como Gesmas. Ele recebe como sinal de castigo e sofrimento ainda próximo da morte uma bicada de um corvo, considerado biblicamente como um animal impuro.

MARIA, MÃE DE JESUS E JOÃO, SEU DISCÍPULO AMADO

Esta cena, vou explicar da forma histórica. Quando lemos a Bíblia, devemos lê-la não apenas superficialmente, ou sempre iremos encontrar contradições. Esta forma errônea de ler a Bíblia chama-se FUNDAMENTALISMO. Temos que levar em consideração a cultura da época, a sociedade, a economia, os costumes, as religiões e etc.
Quando Jesus morreu crucificado, seu pai adotivo José já havia morrido. Jesus tinha 33 anos na crucificação. Sua vida pública começou aos 30 anos, depois de ser batizado no Rio Jordão pelo seu primo João Batista.
Como Maria era viúva e Jesus estava prestes a morrer, ela não teria nenhum outro homem consigo, fazendo com que perdesse todos os seus bens materiais, conforme as leis judaicas. Então a viúva era uma mulher extremamente pobre e reprimida pela sociedade. Por isso, Jesus confiou seu discípulo amado, João, para ficar junto de sua mãe. Então ele diz: “Mulher, eis aí teu filho. Filho, eis aí tua mãe”. Dessa maneira, Maria não perderia seus bens, além de comprovar que ela não tinha outros filhos, sendo desnecessária a presença de João.

A MORTE DE JESUS

Um detalhe interessante nesta cena é a dilatação da pupila de Jesus, mostrando sua morte. Um dos poucos efeitos que merece ser apreciado por sua raridade nos filmes.

OS VÉUS DOS TEMPLOS SE PARTIRAM

Depois que Jesus morre, começa a trovoar e tremer a terra, aos sons de trombetas dos anjos, anunciando a morte do Filho de Deus. Nesse momento o templo é rachado no meio e os véus são rasgados em duas partes. Essa é uma referência bíblica, onde indica os véus do antigo templo (tabernáculo) se partindo após se cumprir a promessa de Cristo. Para que possamos entender melhor isso, coloco abaixo a visão do tabernáculo:

Dentro do Tabernáculo existia três portas para os fiéis passarem. A primeira porta era a Porta do Caminho – era a passagem que todos faziam para entrarem no tabernáculo e estarem na presença de DEUS.

A segunda era a Porta da Verdade. Este local era um local de humilhação, onde os pecadores confessavam seus pecados em público, perante todos os doutores da Lei. Depois, ainda no mesmo local faziam um ritual de purificação lavando-se na pia de bronze.
Por fim, a terceira era a Porta da Vida, onde guardava o Santo dos Santos – a Arca da Aliança com as placas dos Dez Mandamentos. Ela representava a presença de DEUS e só quem tinha acesso a esta porta eram os sacerdotes.

Com a simbologia de rasgar o véu do templo e o parti-lo em dois, Jesus quer dizer que não existe mais separação entre os fiéis e DEUS.Ele é o CAMINHO, a VERDADE e a VIDA.

SANGUE E ÁGUA

Esta referência está no Evangelho de João. Quando o soldado romanoLongino tentou quebrar as pernas de Jesus na cruz, não conseguiu (já explicado anteriormente). O líder dos soldados joga uma lança (a famosa “Lança do Destino” que é mencionada até no jogo “God Of War II”) para que certifique que Cristo estava morto.

LONGINO, em grego significa "uma lança". É um pseudo-nome dado ao soldado que perfurou o lado de Cristo. Seu nome de nascimento nunca foi revelado e o termo Longino é popularmente chamado de"Longuinho" (São Longuinho). Quando ele perfura o lado direito de Jesus, jorra sangue e água. A lança perfurou a pleura, membrana que envolve o pulmão, liberando líquido pleural e sangue. O próprio Santo Sudário possui manchas desse líquido, que na época cristã não teriam tal conhecimento para pintá-las ou forjá-las.

SUDÁRIO

Sudário era o nome do tecido utilizado para enrolar os defuntos. Este tecido foi trazido por um dos discípulos de Jesus, chamado Nicodemos, um homem de boa situação econômica. Ele solicitou a retirada de Jesus, para que não levassem o corpo dele. Depois de colocarem no sudário, levaram ao sepulcro novo e o deixaram lá, também com moedas do império sobre os olhos para que não saltassem. Uma das passagens bíblicas afirma que no momento em que entraram no túmulo vazio, depois da ressurreição, encontraram o sudário enrolado num canto. No filme, dá destaque à ressurreição do corpo, através do tecido abaixando e Jesus sentado ao lado.


A RESSURREIÇÃO

A última cena ainda mostra Jesus se levantando com a marca do cravo em sua mão direita, que posteriormente será mostrada ao apóstolo Tomé, por sua incredulidade.
Todas as alterações existentes no filme NÃO DIMINUI NEM OFUSCA O SENTIDO PRINCIPAL DA MANSAGEM; NÃO ALTERA SEU PRODUTO E MUITO MENOS SEU RESULTADO. São detalhes, embora teologicamente não seguido à risca, insignificantes e irrelevantes com relação ao sentido e ao intuito do filme. Muito pelo contrário, o próprio blog DANIZUDO utilizou uma expressão um tanto intrigante ao se referir no título da postagem como "O JESUS DELES". Sobre quem ele se referia quando escreveu "deles"? Jesus Cristo foi único, não existe outro. Provavelmente estivesse se referindo aos illuministas, pois sua matéria volta-se para a ideia de que eles quem comandaram o filme, mas isso é uma gafe, uma injúria e uma calúnia desmedida. Dentro dos termos e mandamentos sagrados, ele estaria contrariando a Lei nos seguintes sentidos:
NÃO AMANDO A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS - Pois direcionou muito mais sensasionalismo e preferência por exaltar o inimigo, do que enxergar o íntimo da mensagem, transmitindo a todos os leitores a mesma ideologia;
NÃO HONRANDO PAI E MÃE - Pois ofendeu muito mais ao projeto de DEUS através da divulgação do homem, na situação de calúnia contra as pretensões do filme.
MATANDO - Por motivo de ferir a integridade humana e desmerecendo todo o trabalho realizado, fazendo parte do grupo daqueles que também não acreditaram no sucesso do filme.
COMETENDO ADULTÉRIO - Uma vez contrariando o projeto de DEUS e valorizando mais o projeto do inimigo detalhadamente, inverte os valores cristãos e sem perceber, exalta mais o lado negro do que o lado da luz, portanto, comete adultério contra DEUS e a Igreja;
FURTANDO - Por motivo de desviar, ou seja, furtar os iminentes fiéis ou os não-convertidos que iriam assistir ao filme ou já estavam no processo de evangelização. Ao se depararem com tais afirmações caluniosas e até HEREGES, caem em desilusão e abandonam o projeto que estava se iniciando;
LEVANTANDO FALSO TESTEMUNHO - Como dito anteriormente: calúnia, injúria e afirmação sem base. Todas as acusações, de fato, são especulações e suposições.

8 comentários:

Pau Kuri disse...

É um filme muito, muito cruel. Eu acho que um dos melhores filmes voltados para a religião é Risen uma focada na ressurreição de Cristo, do ponto de vista de uma história ateu. Contextualmente falando, eu aplaudo o seu recurso cinematografia maravilhoso especialmente no terceiro ato. Tudo parece estar em linha com o tempo, incluindo alguns diálogos ou cenas vão de acordo com a Bíblia. Além disso, não é exagero na violência, nem recorrer a fantasia visual para dizer um ao outro milagre.

Unknown disse...

Tantos filmes cruéis por aí tipo Rambo quatro e ninguém critica assim.Deixa eu lembrar uma coisa, Deus usa quem Ele quer da forma que Ele quer e sua palavra nunca volta vazia ,faz o seguinte, a palavra diz pra não julgar e aí não sereis julgados , o filme "A paixão de Cristo"relata uma realidade da bíblia é isso pode ser cruel sim , mais o que é mais cruel é virar as costas pra um Deus que entregou seu filho pra sofrer e morrer assim por nós pecadores, isso sim é cruel. Só Jesus pode te dar vida e vida em abundância, Jesus morreu pra vc viver, honre e glorifique esse nome: Jesus

Anônimo disse...

eu amei seu post , sabe pensando por esse lado você está correto , as pessoas hoje estão traindo e não amando Deus sobre todas as coisas , porque tem gente que só fala no mal e acaba exaltando algo que não precisa de toda essa atenção , afinal a ordem foi clara"Vigiai " e a parte de "pregar" é pregar somente o evangelho e a volta de Cristo !

pensadorr disse...

O mal tá nos olhos de quem quer ver.

Anônimo disse...

Não é certo acusar que o filme tenha apresentado muita violência desnecessária, se as pessoas usam a representação do rosto de Jesus agonizando de dor com uma coroa de espinhos na cabeça. Eu nunca achei isso normal. Eu acho que o filme se aproxima bem do que Jesus deve ter passado.

Vera Lucia de Andrade disse...

TB concordo com o anônimo acima
Eu adorei o filme e chorei muito, muito.

Unknown disse...

Estamos acostumados com a visão poética dos filmes antigo sobre a crucificação de Cristo. Mais acredito que esse filme é o que mais se aproxima do sacrifício de Jesus. A biblia diz que "Ele foi moído por nossos pecados".

Adriano Fernandes disse...

Eu gostei muito dessa sua postagem! Parabéns amigo! Deus te abençoe.
Esse filme certamente é o que mais se assemelha com o que o nosso SENHOR passou por nós!
Deus é tudo para mim! Fiquem todos com o nosso Senhor Jesus Cristo! Amém.

Postar um comentário